Para conseguir economizar no #Intercâmbio e aproveitar as melhores ofertas, a principal dica é a mais óbvia: pesquise bastante!

1 - Destino - O primeiro passo lógico é escolher o destino do intercâmbio - em qual país e cidade você pretende estudar e viver. 

Essas considerações são importantes e vários fatores podem influenciar na sua escolha, como por exemplo: qualidade de vida, o custo básico mensal para a sua manutenção, facilidade e custo do deslocamento da acomodação até a escola, estabilidade política e segurança do país, a cotação cambial favorável ou não e outros. 

Nem sempre os destinos mais populares são os melhores ou mais econômicos para estudar, pois além de serem cidades com custo de vida mais elevado, existem muitos turistas visitando essas cidades em qualquer época do ano, o que torna mais difícil ter contato com os habitantes nativos para poder praticar o Inglês.

Alguns países e instituições oferecem bolsas de estudo ou ajuda de custo para um intercâmbio, então é sempre bom ficar atento a esse tipo de oportunidade. 

2 - Escola - Sempre escolha uma escola credenciada pelas autoridades de educação e imigração do país que vc vai visitar e que tenha boa presença online - website, blog, mídias sociais - para poder visualizar informações atualizadas e também os depoimentos dos que estudaram lá recentemente. 

Alguns fatores a considerar na hora de escolher aonde fazer o #Curso são: credenciamento da escola nos órgãos oficiais, número médio de estudantes em cada sala de aula, qualificação mínima dos professores, localização e facilidade de acesso da escola aos principais bairros residenciais da cidade.

Uma boa dica seria tentar fugir um pouco das principais escolas oferecidas pelas agências de intercâmbio, pois costumam ter um número mais elevado de brasileiros nas salas de aulas e isso atrapalha bastante o aprendizado. Existem escolas de várias faixas de preços, mas é sempre possível encontrar uma boa escola, com boa relação custo/benefício.

3 - Duração e carga horária do curso - A duração total do intercâmbio é geralmente determinada pelo fator econômico e o investimento total para a viagem.

É bastante comum para brasileiros aproveitarem as férias do trabalho para fazer um curso no exterior, juntando o útil ao agradável, pois desenvolve as habilidades linguísticas e ainda aproveita as férias para conhecer cidades e países novos.

Para um melhor aproveitamento no aprendizado, a maioria dos estudantes de cursos de curta duração no exterior prefere um curso com carga horária mais intensiva, que pode variar entre 4 a 5 horas de aulas por dia, de segunda a sexta.

4 - Possibilidade de trabalhar durante o intercâmbio com o visto de estudante - Em alguns países como Irlanda, Austrália e Nova Zelândia, é possível trabalhar por meio período durante o curso e isso contribui consideravelmente para reduzir as despesas mensais de manutenção no local e o investimento total do intercâmbio. Alguns países tem regras mais rigorosas quanto ao visto de estudante, como por exemplo estar matriculado em um curso com duração mínima de alguns meses ou ter um nível de Inglês mais elevado.

5 - Passagem aérea - Para economizar na compra da passagem aérea, a principal dica é comprar com boa antecedência e, se possível, fora da alta temporada das férias no Brasil (os meses de Julho, Dezembro e Janeiro). Além da pesquisa nas agências de turismo locais, é recomendável olhar também os sites das empresas aéreas e os populares sites de comparação de preços de passagens, pois é possível encontrar descontos especiais, dependendo da época do ano. 

6 - Viajar com amigos ou em grupo - Essa opção é bastante popular hoje em dia e costuma ser mais barata do que viajar sozinho, pois as agências de intercâmbio e escolas oferecem descontos para um grupo maior de estudantes e geralmente a acomodação em quarto compartilhado é mais barata do que individual. Desejo a todos uma ótima experiência no intercâmbio!  #Estudar no exterior