Nesta quinta-feira (22), o presidente Michel Temer anunciou quais são as diretrizes que vão trazer as mudanças para o #Ensino Médio a partir do próximo ano. As alterações virão através de uma Medida Provisória e já são consideradas a maior mudança de todos os tempos na #Educação do Brasil. De acordo com #Michel Temer, as mudanças que ele traz para o Ensino Médio estão baseadas em métodos usados em países de primeiro mundo e que já foram testados e aprovados. O peemedebista lembrou ainda que temos mais de 1,5 milhão de jovens fora da escola e, consequentemente, acabam sendo excluídos também do mercado de trabalho, afinal é cada vez mais importante ter estudo para se conseguir um emprego, seja em que área for.

O presidente citou os ensinos "clássico e científico", métodos utilizados no Brasil entre as décadas de 40 e 60, alegando que agora é hora de mudança para que o país possa acompanhar a evolução do mundo e que o interessante é conseguir capacitar os jovens estudantes, de acordo com as áreas de interesse de cada um deles.

Questionado sobre os cortes que estão sendo feitos e o quanto eles afetarão a qualidade do ensino no país, Temer alegou que tem plena consciência de qual é sua responsabilidade fiscal, mas sem deixar de lado o compromisso firmado com a responsabilidade social e que está focado na qualidade da educação brasileira.

"Precisamos de coragem para mudar", disse o ministro da Educação, Mendonça Filho, que garante ter levado a discussão para os secretários de Educação e eles foram unânimes em concordar com as novas alterações. Ainda, de acordo com o ministro, mais de R$ 1,5 bilhão estará sendo investido entre 2017 e 2018 para ajudar os estados a terem escolas em tempo integral.

A nova proposta para o Ensino Médio traz 1.400 horas/aula anualmente, sendo que, atualmente, são 800 horas/aula por ano. Para que tal mudança aconteça, é preciso ter turno integral.

Os alunos receberão um conteúdo básico referente a cada matéria, do primeiro até a metade do segundo ano, tendo como base o ENEM - Exame Nacional de Ensino Médio. Já, a partir da segunda etapa, é o aluno que teria total autonomia para fazer sua própria grade, escolhendo as disciplinas de seu interesse. A previsão é de que todas as turmas já contem com as mudanças a partir de 2018, sendo que, até lá, serão feitas todas as adaptações e modificações necessárias.

Uma das principais mudanças é a redução do conteúdo obrigatório, sendo eles: matemática, linguagens, ciências da natureza, ciências humanas, além de formação técnica e profissional.

E os conteúdos que deixam de ser obrigatórios são:

  • Educação Física;
  • Artes;
  • Filosofia;
  • Sociologia.

 No Twitter, o assunto causou polêmica e está dividindo opiniões.