O #ENEM é a porta de acesso para as faculdades públicas do Brasil e garante o financiamento nas instituições de ensino superior particulares. Contudo, a cada ano, surgem novas evidências de fraudes que comprometem a respeitabilidade e a seriedade do exame.

De acordo com o portal de notícias online G1, o Ministério Público Federal (MPF) recebeu um relatório da #Polícia Federal, onde ficou comprovado que houve o vazamento das provas do exame do Enem 2016. De acordo com a Polícia Federal, houve vazamento das provas do primeiro e do segundo dia do exame, além do tema da redação, colocando em "xeque" a lisura do exame.

Candidatos de todo o Brasil podem ter se beneficiado com o vazamento do Enem 2016

O MPF informou que o relatório recebido traz a certeza da Polícia Federal do vazamento das provas.

Publicidade
Publicidade

Neste caso, o #Crime cometido é configurado como estelionato qualificado.

Pelo menos dois candidatos foram presos em flagrante, portando os gabaritos das provas, tema da redação, ponto eletrônico e até mesmo a 'Frase Código' da prova.

Uma prisão aconteceu em Macapá, capital do Amapá. Um homem de 31 anos foi preso logo depois de deixar o local da prova. Ele confessou que recebeu o tema da redação "intolerância religiosa" antes do exame e tinha um texto junto com ele que tratava deste assunto.

Outro candidato foi detido em Fortaleza, capital do Ceará. Neste caso, o homem de 34 anos sabia do tema da redação e tinha uma pronta em seu bolso, para transcrevê-la no momento da prova. Ele também tinha em seu celular fotos dos gabaritos e usava um ponto eletrônico.

Ministério da Educação

A reportagem do G1 entrou em contato com o Ministério da Educação (MEC), na tentativa de obter uma posição da pasta, contudo, ainda não recebeu nenhum parecer do MEC.

Publicidade

O Ministério Público Federal pede que as notas da redação do Enem 2016 não sejam utilizadas.

Acesso antecipado às provas

O procurador Oscar Costa afirmou que o vazamento das provas se deu através de uma quadrilha organizada em âmbito nacional, que conseguem o acesso às provas, comprometendo a logística de segurança que vem sendo implantada e a credibilidade do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).