Diante de uma terrível avalanche de corrupção e descalabros políticos que atingem o Brasil atualmente, pode-se afirmar que nem tudo está perdido, e não está mesmo, principalmente quando a boa notícia diz respeito a valorosos jovens brasileiros de 16 e 17 anos, estudantes da Escola Municipal Presidente Tancredo de Almeida Neves, localizada na cidade de Ubatuba, litoral norte de São Paulo.

O que esses adolescentes fizeram de tão especial para que pudessem dar um pouco de alento ao povo do Brasil neste momento de difícil transição política e econômica? Para espanto de muitos, os garotos simplesmente criaram um satélite espacial batizado de Tancredo 1, o qual foi em direção ao espaço no último dia 9 de dezembro, mais especificamente a partir do Centro Espacial Tanegashima, que é propriedade da Jaxa – Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial.

Publicidade
Publicidade

Conforme explicação do físico e professor de matemática da escola dos alunos, Cândido Osvaldo de Moura, o objeto em questão é o 1º satélite totalmente brasileiro idealizado por adolescentes da educação básica. Outro ponto de relevância em relação a essa empreitada juvenil é que os idealizadores do projeto são os mais jovens do mundo no segmento da pesquisa espacial.

O professor Cândido disse ainda que desde o ano de 2010, por meio de uma matéria publicada na revista 'Super Interessante', foi criado o apelo no tema aeroespacial, pois havia uma startup dos EUA comercializando modelos de montagem de satélites, agregando o serviço de colocá-los em órbita. A partir daí foi muito automática a ideia de inserir os alunos como co-autores de uma experiência científica relacionada diretamente aos pesquisadores do espaço.

Publicidade

Moura revelou que o material escolhido para ser levado pelo satélite seria um pequeno gravador de voz, cuja mensagem teria a possibilidade de ser “ouvida” por entendidos em radioamadorismo. A mensagem foi escolhida em concurso interno na escola municipal, que junto dessa gravação foi colocada mais uma carga, a saber, uma Sonda de Langmuir.

Esse tipo de sonda é útil às pesquisas e visualização de bolhas de plasma (algo similar ao estado gasoso), que são originadas na porção mais alta da atmosfera ou ionosfera, interferindo negativamente na absorção de sinais de telecomunicação, controle do voo de aviões em geral e nas funções dos GPS. A decisão pela escolha da Sonda de Langmuir se deve ao fato de que, após consulta ao INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, se descobriu que os astrônomos e físicos da instituição tinham o interesse pelo envio dessa sonda ao espaço, daí foi só foi unir o útil ao agradável.

Cândido Moura falou disse que o satélite foi lançado pela agência espacial japonesa porque, quando foi comprado o kit de satélites nos EUA, a empresa norte-americana iria oferecer um amplo suporte técnico; entretanto, os lançamentos espaciais do fornecedor estrangeiro tiveram atrasos entre 2 e 3 anos.

Publicidade

Por outro lado a AEB - Agência Espacial Brasileira estava se utilizando de voos com a Jaxa voltados ao programa de Satélites Universitários, então, a Agência reservou um dos lançamentos, que ocorreu no dia 9, para o satélite dos cientistas adolescentes brasileiros. Que orgulho para o Brasil! #Curiosidade #avião #Tecnologia