O Governo Federal apontou irregularidades na merenda escolar em mais de cinco cidades no estado do Ceará. As fraudes ocorriam normalmente na compra dos itens das merendas, geralmente na forma de valores superfaturados, gerando mais de R$ 400 mil de prejuízo aos cofres públicos, dinheiro esse que poderia ter sido utilizado para melhorias nas próprias escolas da rede pública de ensino.

De acordo com as informações da coordenadora de auditoria da Educação do Ministério da Transparência, Shirley Guimarães, funcionários de escolas públicas, secretários e os prefeitos das cidades envolvidas nas fraudes podem responder ações na Justiça.

Publicidade
Publicidade

De acordo com o relatório do Ministério da Transparência, o maior prejuízo foi o da cidade do Crato, localizada na região do Cariri. A cidade realizou o superfaturamento no ano de 2012, os valores calculados do prejuízo chegam a R$ 240 mil, valores esses na aquisição de alimentos que foram destinados a merenda escolar.

Vale destacar que esses R$ 240 mil foi o valor superfaturado da verba de um pouco mais de R$ 1,6 milhão que a Prefeitura do Crato recebeu do Governo Federal para realização da compra das merendas escolares.

Outro fato preocupante é que também o relatório, aponta um prejuízo de R$ 2.700 mil devido a incineração de alimentos realizados pela Prefeitura Municipal do Crato. Recurso esse que é disponibilizado pelo Programa Nacional da Educação Básica.

Outros municípios

O prejuízo não foi gerado apenas pelo Crato, a prefeitura municipal de Itapajé, além de realizar envio de alimentação para escola desativada, adquiriu também despesas incompatíveis, o que gerou um prejuízo acima de R$12 mil.

Publicidade

Croatá foi outro município onde foi constatado um prejuízo de mais de R$90 mil em superfaturamento.

As prefeituras de Salitre e Chaval não entregaram comprovantes de despesas com a aquisição de alimentos, gerando um prejuízo aos cofres públicos de quase R$21 mil.

Ministério da transparência

Todas as informações citadas estão de acordo com os dados da coordenadora de auditoria do Ministério da Transparência, a senhora Shirley Guimarães. #fraude #Política