Um estudante mato grossense de origem humilde foi aprovado em quatro universidades públicas para o curso de medicina. Francisco Carlos Specian Junior, 19 anos, natural de Tangará da Serra, cidade próxima a Cuiabá, tinha uma rotina de estudos acirrada até conseguir a tão sonhada aprovação. Ele chegou a estudar até 15 horas por dia durante três anos. Em dois anos desse período Francisco estudou em Tangará da Serra e por um ano foi pra Curitiba (PR), após ganhar uma bolsa, onde dedicou totalmente aos estudos.

Francisco contou que vivia pra estudar. Começava sua rotina diária logo cedo e só encerrava a noite. O futuro medico foi aprovado na Universidade Federal do Paraná (UFPR), Universidade Federal de Santa Catarina ((UFSC), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Publicidade
Publicidade

O esforço do estudante valeu a pena. Ele concorreu com 250 candidatos por vaga na Unicamp, instituição que Francisco escolheu para fazer o curso pelo fato de valorizar a pesquisa e, segundo o jovem, ele ama pesquisar, principalmente sobre saúde.

Francisco tem origem humilde. Em Tangará da Serra, ajudava a família desde pequeno no cultivo de legumes e frutas para o comércio na feira da cidade. O pai e a avó de Francisco ficaram muito felizes com a conquista do jovem. O pai afirmou se tratar de uma importante etapa de um sonho já concluída com sucesso e destacou que é também sonho dele ver o filho formado.

Luzia Specian, avó de Francisco, está muito contente com o neto, e disse que ele sempre quis fazer esse #Vestibular. Caso se torne um médico, vai ajudar a população.

Para os estudantes que estão em busca da aprovação no curso dos sonhos, Francisco salienta que é necessário ter força de vontade.

Publicidade

"Não desistir nunca. Lembro muitas vezes que passei por derrota, muitos vestibulares eu não passei, dá um desânimo, bate o desespero, muitos pensam igual eu pensei, nossa, mais um cursinho que meu pai vai ter que pagar. Não desanime do seus sonhos", contou Francisco em entrevista ao portal de notícias G1. #medicina na Unicamp #ENEM