Perder um filho ou vê-lo sofrer alguma violência é um temor comum a maioria, senão, todas as mães. Desde que eles nascem, tentamos de todas as formas protegê-los e prepará-los para o mundo. Logo começa os ensinamentos como "isso é caca", "isso faz dodói" e assim por diante.

Para evitar que nossas #crianças possam ser sequestradas ou levadas por adultos que desejem fazer algum mal a eles, usamos a famosa instrução: "Não fale com estranhos" e isso parece ser algo realmente simples e sem possibilidade de erros. Mas o que aconteceu com a mamãe Jodie Norton e dois de seus filhos, de 10 e 8 anos, mostra que é necessário mudar nosso conceito imediatamente.

Publicidade
Publicidade

Jodie precisou ir até um hospital devido fortes dores abdominais, teve que levar consigo seus dois filhos, as dores no entanto eram por conta do rompimento de um cisto em um dos seus ovários, e portanto ela precisou pedir a um amigo da família que viesse buscar os meninos, enquanto ela era atendida na emergência.

Os meninos ficaram na frente do hospital, pois o amigo deveria estar ali em 5 minutos. Mas enquanto Jodie era atendida, o vizinho se atrasou e os meninos precisaram esperar por cerca de 40 minuntos. Enquanto aguardavam a chegada da sua carona, eles foram abordados por dois "estranhos" que pediram que eles os acompanhasse até o banheiro para ajuda-los a convencer um amigo deles a ir para o hospital.

Mas como estavam muito bem orientados, eles se recusaram a acompanhá-los mesmo depois de inúmeras tentativas, isso porque usaram um dos ensinamentos passados por sua mãe, e não foi simplesmente "não fale com estranhos" mas sobre "pessoas malandras".

Publicidade

Jodie Norton havia ensinado a seus filhos que “Pessoas corretas não pedem ajuda para uma criança, se há adultos por perto, elas pedem ajuda para outros adultos. Já adultos ‘malandros’ pedem ajuda para crianças”.

Então, após os adultos insistirem algumas vezes para que os meninos fossem com eles até o banheiro, e os garotos se negarem insistentemente, os homens desistiram. Pouco tempo depois o vizinho chegou.

“Ainda fico de queixo caído toda vez que lembro do que aconteceu. Mas esta experiência me deixou muito grata por ter ensinado essas regras de #Segurança para meus filhos”, contou Jodie em entrevista ao portal Kidspot.

E é muito simples entender porque esse ensinamento é tão especial, pois quando dizemos "um estranho" nivelamos todas as pessoas que não são conhecidas da criança como sendo pessoas más e perigosas, e colocamos todos os "conhecidos" em uma posição que represente segurança às crianças. E isso de maneira alguma é verdade.

Por isso, "pessoa malandra" se aplica tão bem, pois um conhecido pode ter más intenções ao se aproximar de uma criança que esteja sozinha e, justamente usará o fato de ser um conhecido para fazer com que a criança aceite sua imposição.

Publicidade

O que Jodie ensinou para seus filhos faz parte do método criado por Pattie Fitzgerald, criadora da ONG Safely Ever After, que tem como objetivo criar métodos que possam proteger as crianças de possíveis violências. Justamente por que muitas vezes quem machuca a criança é alguém que ela já conhece, um amigo da família ou mesmo um parente.

A ideia central do método é ensinar as crianças a desconfiarem de atitudes suspeitas que qualquer pessoa possa ter, seja ela conhecida ou não.

Alguns dos preceitos são: #educação infantil

  1. Adultos seguros não pedem ajuda para crianças;
  2. Nunca deixe seu filho sem supervisão;
  3. Substitua a palavra “estranho” por “pessoa malandra”. Lembre-se: não é a aparência ou quanto você conhece da pessoa que irá determinar se ela é segura ou não, mas sim as suas atitudes em relação à criança;
  4. Crie regras de segurança com seu filho. E deixe claro que qualquer pessoa que tentar quebrar essas regras de segurança ou machucar seu filho de alguma forma não é seguro, independentemente de ser alguém conhecido ou não;
  5. Ouça seu filho e preste atenção às suas atitudes. Se ele não quiser ficar próximo de alguém, babá, professora, amigo da família ou mesmo um parente, desconfie.