Até os anos 1980 e 1990, aprender inglês era muito complicado devido à falta de recursos adequados. Os dicionários disponíveis no mercado eram muitos, porém, iguais na função. Quaisquer informações adicionais e mais técnicas que se buscasse teria de se recorrer a mil bibliotecas ou conhecer algum profissional especializado na língua. Se alguém que não soubesse inglês quisesse entender ou aprender a cantar uma música (digamos, da Madonna) dependia de umas poucas revistas de letras traduzidas à venda.

Embora a "pronúncia figurada", sinais especiais que representam a forma correta de falar as palavras, sempre viesse nos dicionários "inglês-português" (nos anos 1980, o "Collins", de bolso, verde, era um dos preferidos nas escolas), não ajudava suficientemente na pronúncia.

Publicidade
Publicidade

Expressões idiomáticas e gírias correntes que se lia ou se ouvia num filme eram incompreensíveis em sua maioria. E pra piorar: filmes legendados somente em português.

Agora, porém, o que não faltam são recursos. De todos os formatos. São tantos os meios, seja lá para quais forem os objetivos em dominar a língua (lazer, viagem, trabalho ou se aventurar nas novas profissões online), que se faz necessário considerar algumas dicas de como se preparar adequadamente:

Aprendendo inglês de verdade

1 - Inglês é inglês! Essa primeira dica, apesar de óbvia, serve de alerta a todos os novatos. Quanto antes se familiarizar com a língua e entender que o inglês não é uma versão do português e vice-versa, melhor.

São duas línguas diferentes, na estrutura, nos sons das palavras, nos significados. Muitas palavras em inglês parecem português, mas não são.

Publicidade

2 - Listen! Listen! and repeat! Sabia que o mais importante para aprender inglês de verdade é o ouvir, o famoso listening? Claro que o pacote completo inclui os reading (ler), writing (escrever) e speaking (falar), porém tudo ainda gira em torno do listening.

Afinal, como é mesmo que se aprende a falar português? Ouvindo e imitando. As lições escolares vieram depois. Portanto, tudo o que encontrar envolvendo áudio em inglês, de músicas a trechos de entrevistas, discursos, debates, propagandas, listen and repeat.

3 - Leia muito, escreva tudo. Se vir uma frase em inglês, leia, e o que não entender, escreva para procurar depois. As histórias e programas infantis são ideais para começar. Sinopses de filmes ou de episódios de séries? Leia. Pode-se até copiar e colar no Google Translate para ouvir (reading, writing e listening combinados).

Frequente sites de definições em inglês. O americano "Urban Dictionary" é um exemplo. Eles explicam palavras, frases, expressões e as gírias (até as mais picantes) de modo bem engraçado.

Publicidade

4 - Speak english, ainda que sozinho. Entenda, falar em inglês mesmo que seja consigo mesmo, ajuda a memorizar o idioma. O segredo é descrever. Descreva a sua aparência, os seus sentimentos, as cores do ambiente, as atividades diárias, os objetos, as pessoas, os lugares, enfim, tudo o que encontrar em inglês. O que não souber dizer, procure. É assim que se aprende inglês de verdade.

5 - Devore séries e filmes! Ver séries e filmes será o mais próximo da realidade que chegará, caso não more num país de língua inglesa. Assistir é divertido, mas para aprender inglês, é preciso atentar aos diálogos e ao uso natural da língua feito pelos atores. Ali a fala é rápida e fluida, as expressões idiomáticas dominam, há gírias de todo tipo, e as palavras são contraídas e emendadas de acordo com a linguagem falada.

O site "Forever Dreaming" disponibiliza os episódios transcritos da maioria das séries em exibição no momento (e de outras já terminadas). Ao procurar um episódio lá, encontra-se, linha por linha, as falas de cada personagem.

Assista cada cena do episódio normalmente. Depois, seguindo a transcrição, repita a cena quantas vezes quiser para aprender a pronúncia, termos, expressões. E escreva. Já pensou poder um dia assistir aquele tão esperado episódio sem ter de depender de legenda? Show.

6 - Ouça e traduza músicas! Traduzir música diverte e ensina. Muitas expressões não podem ser traduzidas literalmente e ficam sem sentido. Então, aproveite para procurar a definição no Google ou vá a sites em português que ensinam inglês, como o "Inglês Online" e o "Engilsh Experts", pesquise o arquivo ou deixe a pergunta sobre aquela expressão. Fazendo a sua tradução, além de evitar erros na compreensão das letras (já que as traduções feitas pelo Google Translate não são muito precisas), você aprende inglês e ainda pode ajudar outros aprendizes.

7 - Viva em inglês! Cerque-se da língua, mude o idioma do celular, da TV do computador. Ouça podcasts enquanto faz outra coisa. Sintonize uma rádio americana ou britânica. Há quem indique aos iniciantes etiquetar objetos da casa com seus nomes em inglês (ex: espelho = mirror). Enfim, escolha o melhor jeito de sempre estar em contato com a língua o máximo possível.

Do básico ao avançado

8 - Aprenda com nativos! Quem pode falar melhor do que eles? Veja telejornais. Procure vídeos ou as promos dos episódios da sua série preferida. Assista as entrevistas com os atores nos eventos ou em talk shows, quando ele for promover aquele filme. Atente para as perguntas e respostas, que termos e expressões usam. Siga-os no Twitter, veja o que eles postam, como escrevem. Vá atrás de palestras sobre assuntos do seu interesse, por exemplo, as do "TEDtalks", no YouTube).

9 - Grupos em inglês ("Join us")! Aprender algo novo, sobretudo uma língua, com outras pessoas é muito melhor. Você já vai treinando o speaking. Em grupo, um ajuda o outro, as dúvidas são solucionadas mais facilmente, recursos diversos são compartilhados e aceleram a aprendizagem.

Procure grupos de praticantes de inglês que se reúnam de vez em quando. Em capitais isso é comum. Não existem na sua cidade? Pesquise se há pessoas interessadas na sua região e crie um grupo local.

10 - Os mil sotaques do inglês no YouTube. Estando avançado ou ainda nos primeiros passos do inglês, é importante variar os sotaques na hora de aprender. Isso apura o ouvido e ajuda a entender melhor qualquer falante nativo de qualquer país anglófono. O ideal é ouvir todas as vozes do inglês, ainda que tenha um preferido. No YouTube, há instrutores americanos, ingleses, canadenses, australianos. Veja:

"Engvid". Canal de professores canadenses, mas há ingleses na equipe. Dão aulas típicas sobre gramática, ortografia expressões idiomáticas e gírias. Cada instrutor tem um jeito todo próprio de ENSINAR. Legendado em inglês.

"English with Lucy". Lucy é britânica e além de dicas em geral, ela adora contar histórias pessoais e experiências de viagem. Legendas em inglês também.

"Tipsy Yak": A americana Kristen convida para um drink a cada aula. Seu estilo é carismático e muitas das aulas têm séries temáticas. Ela dá conselhos sobre métodos de estudo, é muito divertida ensinando pronúncia e destaca as palavras e expressões em uso e em desuso no inglês americano.

"Hmmm English". Emma é da Austrália. Claro que o foco é o inglês australiano, mas ela também trata das diferenças culturais entre o seu país, os Estados Unidos e a Terra da Rainha.

"Small Advantages". Gavin é um americano do Colorado, apaixonado pelo Brasil e fluente em português. Ele ensina pronúncia dos sons e palavras mais difíceis do inglês, entrevista amigos e familiares, dá dicas culturais e, como conhece português, faz comparações interessantes com o inglês. Vale a pena conhecê-lo.

Veja um vídeo com um #Curso de 30 dias de inglês:

Fora da internet, já ouviu falar dos mórmons? É uma religião americana que costuma enviar pelo mundo jovens missionários. Como parte do trabalho, eles dão cursos gratuitos de inglês nas suas capelas. Se houver muita procura, eles montam turmas básica e avançada (essa para conversação). Veja se há uma capela deles na sua região e se informe sobre o curso.

Claro que os cursos tradicionais em escolas e os educativos online são interessantes inicialmente pela parte gramatical e estrutural que fornecem, mas não se prenda a eles. O ideal é aprender inglês de um forma mais natural e prática.

As dicas dadas acima não são um método rígido, apenas refletem as experiências bem-sucedidas de muitos estudantes autodidatas. Se quiser, misture tudo, faça do jeito que achar melhor. O que interessa é aprender inglês de verdade. #aprendizado #AprendaIngles