A #gamificação (ou gamification, no termo em inglês) está presente em praticamente tudo o que as pessoas fazem, todavia, o seu significado não é realmente compreendido pelos brasileiros.

O termo é um conceito para a utilização de mecanismos de jogos, com o objetivo de motivar as pessoas, melhorar o aprendizado e resolver problemas específicos, motivando ações fora do contexto virtual. Além dos desafios disponibilizados, a gamificação acredita que as recompensas, como créditos, pontuação, ranking e demais sejam cruciais para o melhor desempenho dos usuários.

Além disso, o professor possui as respostas de reações dos alunos, sendo capaz de constatar como estes estão reagindo, quais as premiações mais acessadas e o desempenho do game é atualizado constantemente através de rankings, facilitando a compreensão da competição saudável pelos alunos.

Publicidade
Publicidade

Em países desenvolvidos, como os Estados Unidos, o conceito de gamificação é amplamente difundido, porque as instituições de ensino preocupam-se em desenvolver cenários, missões e desafios para os alunos cumprirem de forma a promover melhores condições de aprendizagem conectadas com a experimentação e com o mundo real.

O que é necessário saber para implantá-la nas salas de aula?

  • Identifique os pontos fracos dos alunos, se estão desmotivados e a absorção de novos conteúdos não é mais da mesma forma, é importante buscar por novas formas de estimulá-los.
  • Quais objetivos pretende atingir aplicando a gamificação? É importante analisar qual a finalidade que se pretende alcançar: Deseja melhorar a qualidade dos trabalhos em equipe? Seu objetivo é estimular os seus alunos a continuarem estudando fora das salas de aula? Fazer com que gostem mais da disciplina que está sendo ensinada? Observe!
  • Faça testes com grupos menores, procurando sempre observar os resultados.
  • Trabalhe sempre com o feedback, mostrando aos alunos como estão se saindo nos resultados e os estimulando sempre a melhorarem!

Como implantá-la nas salas de aula?

Em primeiro lugar, é preciso que a narrativa dos jogos seja relacionada ao conteúdo que está sendo ensinado na sala de aula, de forma a desenvolver uma plataforma EAD com técnicas de aprendizado baseadas em ambientes virtuais e suas inovações tecnológicas.

Publicidade

Atualmente, com a maior acessibilidade à internet, tornou-se simples a criação de jogos para celulares e de sites específicos, sem que seja necessário dominar o universo da programação de computadores.

Um exemplo interessante é a criação de #Aplicativos, como foi o caso de Pedro Hote, um estudante de Análise e Desenvolvimento de Sistemas da cidade de Muriaé (MG) que produziu o aplicativo "Operações espaciais", em que a criança aprende matemática e a ordem dos planetas do Sistema Solar brincando. O jogo funciona da seguinte forma: em cada fase, surgem determinados cálculos de matemática básica que a criança precisa solucionar e responder. Ao concluir uma fase, um novo planeta é descoberto e a criança sente-se estimulada para concluir o game até formar todo o Sistema Solar.

Além de estimular o prazer pelo estudo da matemática em um ambiente externo às salas de aula, o jogo colabora com o desenvolvimento da memória, conhecimento das diferentes formas de cálculos e interesse pela ciência exata, ao ponto de sentir-se atraído pela continuação dos estudos astronômicos.

Publicidade

Por fim, a utilização da gamificação nas instituições de ensino é de suma importância para encorajar a melhor absorção de conteúdos em crianças e jovens, de forma a contribuir com a evolução da educação brasileira sem que para isto seja necessário privar-se do uso saudável da #Tecnologia.