As novas regras para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) foram anunciadas durante a manhã desta quinta-feira (6) pelo Ministério da #Educação (#MEC). Segundo o mais recente anúncio, o programa que oferece financiamento para estudantes cursarem uma faculdade privada passará a ser dividido em três diferentes modalidades e entrará em vigor a partir de 2018. A grande novidade, no entanto, ficou por conta das 300 mil vagas que serão oferecidas, sendo que um terço delas terão juro zero.

O ministro da Educação, Mendonça Filho, garantiu nessa manhã que a nova reformulação do Fies terá pelo menos 300 mil contratos no ano que vem.

Publicidade
Publicidade

Ele também garantiu que dentre as modalidades, uma delas será constituída por juros zero no pagamento do financiamento.

A primeira modalidade ou primeira fase criada para o Fies foi chamada de Fies 1 ou Fies Fundo Garantidor, que tem como objetivo ofertar vagas para alunos que possuam a renda familiar ao mês de no máximo três salários mínimos (total de R$ 2.811). Para esta modalidade, o MEC irá ofertar 100 mil vagas sem juros, com a atual correção anual pela inflação. Além disso, os estudantes que se classificarem nessa modalidade poderão usar até 10% de sua renda mensal para pagar as mensalidades referentes ao financiamento.

Tudo isso só será possível graças ao mais recente fundo garantidor que foi elaborado com recursos da própria União. Segundo o ministro, essa mudança irá gerar um total de R$ 300 milhões aos cofres públicos com arrecadação das taxas operacionais.

Publicidade

No entanto, o risco dos estudantes ficarem inadimplentes também será assumido pelas universidades privadas.

O Fies 2 ou Fies Regional é o nome dado a segunda fase do programa e irá funcionar da seguinte forma: alunos com renda mensal em torno de cinco salários mínimos (total de R$ 4.685) terão o acréscimo de 3% de juros ao ano e a correção monetária no pagamento do financiamento. Para esta modalidade o governo irá oferecer um total de 150 mil vagas espalhadas nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste. Para essa segunda fase, o governo irá usar os fundos constitucionais de cada região para bancar o programa.

A última modalidade, também chamada de Fies 3 ou Fies Desenvolvimento/Trabalhador, terá como principal recurso dois grandes aliados, os Fundos Regionais de Desenvolvimento das mesmas regiões citadas anteriormente e o #BNDESBanco Nacional de Desenvolvimento Econômico. Serão ao todo 60 mil vagas nessa fase, destinadas também aos estudantes que tiverem renda mensal de até cinco salários mínimos.