Quando o Brasil foi escolhido para sediar a Copa do Mundo, o país inteiro comemorou, porque se achava que já era hora de promover o evento novamente, depois dos longínquos verões que traziam como lembrança a tragédia do Maracanã, em 1950. Foi naquela tarde sombria que o Brasil perdeu a Copa para o Uruguai, diante de uma torcida de duzentos mil espectadores, que viram silenciar o maior templo sagrado do futebol em todos os tempos.

Naquele momento ninguém reagiu quando o Brasil alardeou pelos quatro cantos do próprio país e do mundo que iria realizar a maior de todas as Copas, sobretudo por saber que o futebol é a mais inebriante paixão que pulsa no sangue de todo brasileiro.

Publicidade
Publicidade

Infelizmente, porém, o brasileiro é literalmente analfabeto e facilmente influenciado por qualquer tipo de boato, exatamente por falta de conhecimento.

Bastou alguém promover uma manifestação para reclamar do aumento de vinte centavos no preço da passagem de ônibus em São Paulo, para, em meio à algazarra provocada pelos vândalos, alguém gritar que a culpa de todos os males do Brasil era da Copa do Mundo, porque o governo estaria desviando dinheiro da saúde para gastar na construção dos estádios. Uma aberração. Coisa tipicamente de gente analfabeta e desinformada.

Num país onde se lê apenas dois livros por ano, e quatro quando são didáticos, o que se pode esperar de um povo ignorante que ouve o sino tocar e nem sabe onde fica a igreja? A ignorância cavalar e avassaladora do brasileiro deixou a Amazon em polvorosa ao se instalar no Brasil ano passado, a fim de investir na disseminação do livro eletrônico, pelo simples fato de que o maior problema a ser enfrentado no país seria exatamente a falta do hábito da leitura, por parte do povo.

Publicidade

Percebe-se facilmente que se o indivíduo que não lê um livro físico e, tampouco um e-book, ainda que esta segunda opção lhe seja oferecida de graça, ele não tem o mínimo interesse para ler um jornal, uma revista, ou acessar um portal de notícias para se atualizar. E, desprovido de qualquer conhecimento sobre o que se passa às suas barbas, vai para as ruas depredar o patrimônio alheio, pouco lhe importando se for público ou particular, simplesmente porque ouviu algum maluco dizer que o governo estaria gastando o dinheiro que poderia ser destinado à saúde, com a Copa do Mundo.

O imbecil não sabe que, dos R$ 28 bilhões investidos no evento, o governo entrou com apenas R$ 8 bilhões, o que não representa, por exemplo, nem dez por cento do que é investido por mês, na educação. Ora, e se estes R$ 8 bi forem diluídos em quatro anos, ou seja, durante os preparativos para a Copa, isto representa apenas um gasto de R$ 2 bi por ano. Portanto, protestar contra a Copa e incendiar o país não passa de uma sandice, e um claro atestado de ignorância e de estupidez.

Publicidade

Não sabe ainda esses mesmos imbecis que o déficit da Previdência Social é de cerca de R$ 50 bi por ano, o suficiente para o governo promover quase cinco Copas do Mundo. Também não sabem que somente em corrupção vão para o ralo algo em torno de quase R$ 100 bi por ano e, por aí se espalha o descalabro sobre o qual nenhum governo conseguiu se impor e, muito menos extirpar, porque se trata de uma mazela que parece impregnada no DNA do brasileiro.

Se o Partido dos Trabalhadores é acusado de corrupção por causa dos famigerados mensaleiros, os críticos de plantão se esquecem de dizer que somente graças ao PT foi possível colocar corruptos na cadeira, porque os corruptos do PSDB, do DEM e alhures, tinham a sujeira empurrada pra debaixo do tapete. Até hoje ninguém sabe para onde foi o dinheiro das privatizações do governo FHC, os quase R$ 30 bi entregues de mão beijada aos banqueiros, e o escândalo da compra de votos para aprovar a reeleição não deu em nada.

Todavia, para tentar desestabilizar o governo em ano de eleição, escolheram a Copa do Mundo como grande bode expiatório acusando-o de desviar dinheiro da saúde, da educação e de outros setores, para investir na construção dos estádios. Repito: uma aberração. Chegou-se a publicar pesquisas dando conta de que os efeitos da Copa seriam negativos para o Brasil, quando se sabe que, em apenas uma semana após o início do evento, turistas do mundo inteiro que não conheciam o país fizeram declaração de amor, prometendo que voltarão com a família para conhecer melhor nossas riquezas e nossa gente.

O que não se pode aceitar é que, em nome de uma democracia que a cada dia se torna um modelo de governo libertino, fracassado, sem freio e sem regras – porque não se respeita a lei – que saiam pelas ruas causando destruição e provocando danos irreparáveis. O que esses vândalos vão dizer aos filhos de um pequeno lojista que teve sua loja destruída, quando seus filhos pedirem um prato de comida? Porque era dali que ele tirava o sustento da família, e um bando de marginais chamados de manifestantes ateou fogo na sua pequena loja.

Ignorância e imbecilidade têm limites. E não me diga que estou pensando em ditadura. Apenas em ordem, disciplina e respeito às leis!