A Copa veio e, logo mais, a Copa vai embora. Foi um mês intenso, repleto de alegrias e tristezas, de coisas que nos deram orgulho e vergonha, tudo junto e misturado como só o brasileiro sabe fazer. E mesmo que mais da metade das obras prometidas não tenham saído do papel, teremos alguns legados importantes oriundos da Copa do Mundo.

1. Sempre pensamos que uma Copa no Brasil seria uma catástrofe fora do campo e um passeio dentro dele. A realidade nos mostrou que temos capacidade para sediar um evento desse porte, mas que para ganhá-lo, precisamos evoluir. Isso é positivo em dois fronts: aumenta a autoestima com relação à nossa vida, nosso dia-a-dia e reduz a soberba do autoentitulado 'país do futebol'.

Publicidade
Publicidade

2. Pudemos rever a definição de 'desastre' e 'vexame' atrelados ao desempenho da Seleção em Copas do Mundo. Sim, porque no Brasil, perder por um gol de diferença para os eventuais campeões ou vice-campeões sempre foi motivo de vergonha - vide Copas de 90, 98, 2006 e 2010. E perder batalhas épicas para times fortíssimos, do mesmo nível do nosso, sempre foi uma tragédia - vide 82 e 86. Os 7x1 da Alemanha ajudam a colocar em perspectiva as demais derrotas. Isso sim foi desastroso e vergonhoso.

3. A Alemanha mostrou que, se é possível ganhar no jeitinho, na ginga e na individualidade como sempre fizemos, é muito mais fácil fazendo as coisas com organização, planejamento e competência. Das últimas 9 Copas, eles chegaram pelo menos na semi em 7, na final em 5 e foram campeões em 2. No mesmo período, nós chegamos em 4 semis, 3 finais e ganhamos 2.

Publicidade

Talvez seja demais esperar que nossos dirigentes tomem consciência e tentem mudar algo (até porque isso equivaleria a alijá-los do poder), mas admitir o problema é o primeiro passo que nós, torcedores, precisamos dar.

4. Nossa Polícia, que vemos com tanta desconfiança no dia-a-dia, desmantelou a máfia dos ingressos da Copa, algo que o mundo inteiro já sabe que existe - Andrew Jennings já escreveu dois livros dando nome, RG e ICQ number dos envolvidos - mas que ninguém jamais conseguiu pegar.