Recentemente a Nação Brasileira foi humilhada como nunca havia sido em sua história, no dia seguinte após a derrota do Brasil para Alemanha. Estava estampado nas faces de todos a vergonha por que passamos. Difícil até falar sobre o assunto, malgrado o desgosto. Fato passado, era esperado que o alarmante episódio criasse nas cabeças de nossos dirigentes a necessidade de profundas reflexões sobre o nosso fundamental e tão importante futebol. Dentre as ações necessárias, evidente estava que seria necessário as escolhas de nomes certos e fortes que deveriam alavancar os alicerces básicos que nos levariam no mínimo a chegar ao mesmo patamar em que o futebol Europeu está posicionado e esperar que acompanhássemos as demais potências futebolísticas mundiais em suas evoluções.

Publicidade
Publicidade

O nome escolhido para diretor, gerente e técnico de futebol, alem de forte domínio sobre a tecnologia e penetração globalizada no mundo futebolístico, teria que ter, juntamente com o presidente fórum político para influenciar o meio a criar políticas publicas de maneira que em curto espaço de tempo fizesse aflorar nossos artistas do futebol que sem sombra de dúvida existem neste País imenso. Não foi o caso, porém, as escolhas para diretor, gerente e técnico criaram uma unanimidade negativa, ninguém os quer, ninguém mesmo. Estão os dirigentes a brincar conosco, parecem não levar a coisa a sério.

Para ficar só no Gerente de Futebol Dunga, basta uma ligeira olhada em seu currículo futebolístico para perceber que não está antenado com o futebol jogado em nível mundial.

Publicidade

Não é de conhecimento que tenha se especializado na exterior, nem que domine qualquer técnica aplicada nos campos da Europa ou qualquer outro lugar fora do Rio Grande do Sul, a imprensa de um modo geral o reconhece como uma má escolha e sem penetração alguma nos meios políticos. Nem é preciso se aprofundar muito, hora, se Luiz Felipe Scolari e Carlos Alberto Parreira, antigos campeões mundiais, protagonizaram o pior momento futebolístico da nossa história, dá para perceber claramente que Dunga, apesar de sua imensa boa vontade não poderá fazer nada para mudar este quadro. A ação deverá ser política, urge iniciar uma campanha para mudar esta situação, quem sabe, diretas já para Futebol. Boa Jornada a todos.