Impressionante a forma com a qual certa nação que se diz "grande", país do futebol, do samba, etc. tem se comportado diante de um fato recentemente ocorrido no próprio território. Apesar das ditas grandezas, agora uma Confederação almeja mais um título: o da santificação (em letras menores) de uma espécie que, vitimada poderá entrar para a história ou pelo menos ter o nome cravado por muito, mas muito tempo em uma "parede" dos heróis (?) até que surja outro para ocupar o seu lugar. O "até" ocorre em ciclo, ou seja, sempre ocorre.

Não é a toa que o povo dessa nação é o que é. Recentemente aclamaram (não o povo, mas alguns de seus "chefes") um lenço para enxugar as lágrimas por terem sido "espiados" por certas tecnologias fazendo-se de vítimas, (coitadinha dessa nação), agora e novamente aclamam "punição" de um ser humano só porque ele foi o causador de um "esbarrãozinho" que qualquer outra pessoa poderia ter promovido em qualquer outra partida de futebol.

Publicidade
Publicidade

Já imaginaram ter de penalizar todos os "acidentados e/ou causadores" de algum tipo de acidente em campo de futebol? Brincadeira isso, mas ao que parece é uma verdade.

A tal FIFA deveria exigir a construção de hospitais anexos a cada local destinado à realização das competições para atender os "coitadinhos", de um lado, e da mesma forma, a construção de Fóruns para julgamentos e condenações de "coitados" que provocam algum tipo de dano ao próximo, claro, não se pode esquecer de requisitar a edificação de prisões também.

Talvez a construção de um grande berçário também seja útil, pois isso viabilizaria o atendimento das "aberrações" surgissem, nesse caso, seria só assobiar e/ou apitar para uma "cegonha" em trânsito para que ela transportasse cada bebê, fosse esse bebê - no sentido figurado, um marmanjo, entidades, instituições, confederações, a nação, etc., para o seu devido lugar.

Publicidade

Buááááááá, tá?

E o povo continua acompanhando a "pocissão" Eu é que não tiro meu chapéu nem depois que a "pocissão" passar.