Unicidade é um tipo de comportamento que deveria ser aprendido em sala de aula e depois ser ensinado na prática, principalmente àquelas espécies (♂ e/ou ♀) que ficam à frente de uma equipe e/ou grupo, destinados a vencer algum tipo de desafio.

Tem um texto que diz assim: "ensinai a criança no caminho que deve andar para que quando crescer não se desvie dele". E daí? Daí se esse contexto for analisado com olhos "profundos" percebe-se que não foi dito "essa" criança e isso leva ao entendimento que significa "todas" as crianças, no caso, toda a equipe e/ou grupo envolvida na ação. Ninguém é melhor do que ninguém e todos sabem disso.

Publicidade
Publicidade

Vamos fazer um trocadilho na frase destacada no parágrafo anterior? Então: "ensinai ao jogador a tocar na bola para que quando estiver em campo ele dê o melhor de si". Bonita frase. Nesse caso, "o" jogador foi mencionado para ser entendido como "toda" espécie que se propõe competir em campo.

TODA espécie que se ache competente para correr, driblar, e sabe-se lá o que mais com uma bola nos pés, no peito e/ou na cabeça, conforme mencionado no parágrafo anterior, para competir tem de ser educado e em seguida tem de ser treinado a ser o melhor entre todos, MAS em equipe e/ou em grupo, dessa forma TODOS os envolvidos seriam bons o suficiente para, faltando um, o outro o substituir. Isso não seria "bonitinho". Mas não é a realidade. Isso é utopia.

Interessante notar que muitas organizações ao buscarem Certificados, sejam a nível nacional, seja a nível internacional, o que mais se pede em certas Normas é que a direção defina a Política do "jogo", ou seja, dos objetivos a serem alcançados, assim, subentende-se que a Alta Direção sempre deve estar á frente, ser a referência, ser o ponto de partida e também o de chegada.

Publicidade

E daí? Daí que em um time todos deveriam ser tratados por igual e não destacar esse e/ou aquele elemento da equipe, afinal, é a equipe que está competindo, a "partida" é da equipe, portanto, a equipe precisa ser incentivada como um todo. Se todos forem tratados como "um", certamente quando um faltar e/ou falhar, o outro o substituirá e isso é mais claro que líquido translúcido.

Espera-se que toda espécie aprenda essa lição e da próxima vez que tiver que competir, produzir, transformar, etc., que o faça, mas destacando a equipe. A dor da perda e/ou a vitória provavelmente terá mais gosto se TODA espécie for considerada importante, e não essa e/ou aquela em destaque, afinal ninguém é melhor do que ninguém, claro, desde que não haja algum tipo de interesse em termos financeiros e/ou de negociação.