Depois de mais de 2 anos proibida, a caça do javaporco e do javali volta a ser autorizada pelo IBAMA. Após uma nova avaliação da problemática causada pelos animais, os especialistas concluíram que é necessário tomar uma atitude para que o controle populacional dessa espécie. Como é um animal que não é da fauna local, os problemas causados por eles são frequentes e algo precisava ser feito com urgência. O javalis-europeu (Sus scrofa) e o seu cruzamento com o porco doméstico, o javaporco, precisam ser controlados e por isso divulgou a Instrução Normativa Nº 3, de 31 de janeiro de 2013 que autoriza a caça tanto do javali europeu quanto do seu cruzamento com porco doméstico.

Publicidade
Publicidade

Por que a caça do javali e do javaporco precisou ser liberada

O javali é uma espécie europeia e que foi introduzida no Brasil causando sérios danos ambientais. Acredita-se que os primeiros exemplares tenham vindo através da fronteira da Argentina e Uruguai, países nos quais eles são criados desde o século XX e servem de alimento. Ao fugirem da fazenda nas quais são criados, atravessam a fronteira livremente e invadem as terras brasileiras.

Como não são da fauna local, não possuem predadores naturais no Brasil. Com isso, se reproduzem livremente e se expandem por todo território nacional. O problema é que o crescimento descontrolado traz muito desequilíbrio ambiental. Esses animais poluem córregos e lagos, destroem todos os animais da fauna local, comem ovos de jacaré e de tartaruga interferindo negativamente para a manutenção da população dessas espécies.

Publicidade

Além disso, invadem plantações e as destroem.

Para tentar controlar esse efeito devastador causado, o IBAMA regulamentou a caça tanto do javali, quanto do resultado do seu cruzamento com os porcos domésticos, que as pessoas passaram a chamar de javaporco. Embora não se saiba ao certo o número de animais existentes no Brasil, o IBAMA calcula que deve haver mais de 300 mil indivíduos espalhados pelo território nacional. Com a caça do javali liberada o IBAMA acredita que possa diminuir o número de indivíduos ou pelo menos controlar o aumento da população. #Legislação