Em boa hora a CBF, ainda mais depois do fracasso ocorrido na última copa, inicia um processo de preservação das novas gerações de atletas a partir de uma reestruturação já iniciada sob a responsabilidade do ex-jogador Gallo, técnico da seleção olímpica. Envolve planejamento não só em convocações e treinamento de atletas como também em formação de objetivos, metas e ações destinadas a reorganizar calendários de competições nas bases promissoras existentes e prováveis que possam revelar e preservar valores. Houve uma época do #Futebol brasileiro em que, na sequência da competição de equipes juvenis, havia duas competições de aspirantes e de reservas anteriores à de profissionais.

Publicidade
Publicidade

Pelo menos aqui no Rio de Janeiro, cujas existências mantinham um maior contingente de atletas disponíveis dentro de uma atividade de oportunidades e emprego. Essa época foi vencida pelos custos que quatro categorias acarretavam, e hoje, nos novos tempos, celebramos a existência das categorias "sub", em faixas de idade constituídas desde a infância de nossos atletas, algo que facilita o grande objetivo da CBF.

A questão é, como já disse, a reorganização dos calendários das competições, o que envolve diretrizes por estados e regiões além das relacionadas ao país e às de caráter internacional, abarcando mais clubes e atletas. De um modo geral, isso já vem ocorrendo, não é grande novidade. Mas o objetivo a ser alcançado está firmado numa terrível realidade: o êxodo dos nosso promissores atletas para o exterior.

Publicidade

Some-se a isso a limitação dos clubes em razão das leis Zico e Pelé, que deles tiraram recursos que adviriam da preparação, manutenção e transferência de atletas com base nos contratos reguladores de permanência deles no país.

O êxodo de atletas jovens, provocado em razão do descaso e falta de recursos de nossos dirigentes e das ofertas muito sedutoras de clubes e empresários daqui e do exterior que reconhecem o grande celeiro pátrio, carentes de maiores cuidados e atenção, deve ser combatido. Para evitá-lo, há de haver ainda e principalmente mais recursos de muitos matizes e patrocínio financeiro que favoreçam clubes e entidades responsáveis pelo nosso esporte mais amado.