Esquecer a correria do cotidiano na superfície e mergulhar no silêncio da atmosfera da vida que flui no fundo do mar é o que muitos turistas que chegam a Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, procuram durante o ano todo, mas principalmente nessa época com a proximidade do verão. "O tempo bom e a visibilidade no fundo do mar melhoram", explica o instrutor de mergulho, Regis Bossolan, que guiou nossa aventura pelo santuário ecológico da Ilha das Cabras.

Criado em 1992, abriga uma rica comunidade de espécies de animais marinhos. "Tem muita vida lá embaixo", diz o instrutor enquanto se prepara para orientar os turistas.

Publicidade
Publicidade

São centenas deles. A operadora de mergulho Colonial Diver, especialista no assunto, entre os meses de janeiro e fevereiro chega a fazer aproximadamente 50 saídas por dia até às 16 h. Além de muitos peixes, da água límpida, outro atrativo submarino que chama atenção é a estátua do Deus dos Sete Mares, Netuno, a 7 metros de profundidade. "Muita paz, tranquilidade e quietude, ideal para reenergizar as baterias", conta a paulistana Laura Paiva, 42, diretora operacional de TI em uma multinacional. Acompanhada de amigos, entre elas, a vice-presidente da empresa, a americana Gitte Sandlykke, que mora em Boston, Laura diz que a amiga e chefe gostou muito de Ilhabela. "Nossa próxima parada é a Riviera de São Lourenço, ela está encantada com o litoral brasileiro".

De fato, ao cair no mar e submergir, a sensação é de encantamento.

Publicidade

A variedade de cardumes de peixes, corais, estrelas do mar, anêmonas e uma infinidade de outras formas de vida multicoloridas.

Com infraestrutura completa, que inclui roupa de borracha e todos os acessórios necessários para garantir a segurança do mergulhador de primeira viagem, antes de embarcar recebemos uma série de orientações de como executar o passeio. Entre elas, a comunicação lá embaixo, a maneira correta de respirar e mover as pernas - diferentemente da natação na piscina, por exemplo, o mergulho requer suavidade e leveza no movimento das pernas. Além disso, Regis ainda explica os procedimentos no uso da máscara e dos pés de pato, que somente são colocados no bote que leva os passageiros até o local do início do passeio.

Por quase 60 minutos é como se mais nada existisse. Guiado por um cabo nos primeiros instantes até 'pegar o jeito', o turista vai sendo acompanhado por peixes de várias espécies. O santuário estende-se da Praia das Pedras Miúdas, em frente à Ilha das Cabras, até a Praia do Portinho.

Publicidade

Colonial

Localizada em um ponto privilegiado do arquipélago, fornece todos os itens para um passeio tranquilo. No caso do Discovery Dive, o turista recebe noções básicas para o uso do equipamento autônomo, seguido de um mergulho no mar acompanhado pelo instrutor. Mas ainda existem outros tipos como o mergulho livre, mergulho noturno, de snorkel e mergulho embarcado, que leva o visitante até ilhas afastadas, como a Ilha dos Búzios, ao extremo sul do arquipélago; a Ilha Sumítica e locais de naufrágios conhecidos na região. O mergulho também tem a opção de locar os equipamentos avulsos.

E nessa temporada, o turista ainda pode sair mergulhador profissional fazendo o curso de mergulho por dois dias e meio, com todos os equipamentos inclusos e certificado internacional PADI (Profession Association of Diving Instrcutors). Para saber mais, consulte a operadora Colonial Diver, localizada na Avenida Brasil, 1.751 - Ilhabela - (12) 3894-9459. #Entretenimento #Turismo