O torcedor palmeirense já está até acostumado com a falta de títulos do time e com as decepções ano após ano nos campeonatos que o clube disputa. É uma situação que não deveria ocorrer com um time com o tamanho de sua torcida e com a grandeza que representa para o #Futebol brasileiro. O que todos esperavam para o ano de 2014, ano em que o clube completa cem anos de sua existência, era que a diretoria e departamento de futebol montassem um time com um elenco de qualidade e competitivo. A expectativa era grande, até por parte dos torcedores rivais. Juntou-se o fato de que nesse mesmo ano estaria pronta e entregue uma das mais avançadas e belas arenas do Brasil e do mundo segundo um jornal espanhol: a Arena Allianz Parque, o antigo Palestra Itália e a casa do Palmeiras.

Publicidade
Publicidade

Porém, o que se tem observado durante a temporada é que o elenco não tem qualidade para disputar títulos e o pior: está lutando mais uma vez contra o fantasma do rebaixamento. É nítida a falta de preparo e assertividade da diretoria do clube ao tomar suas decisões. Sem muito esforço, podemos lembrar algumas das lambanças da diretoria nos últimos tempos: a troca do jogador Barcos para o Grêmio, que rendeu jogadores de péssima qualidade e que para muitos foi a pior transação de recursos da história do clube; a ida de Alan Kardec - considerado um dos poucos bons jogadores - para o São Paulo; a diretoria deixou o jogador ir embora sem tomar iniciativas contundentes a respeito.

E o único jogador bom e que pode mudar uma partida quando está em campo é o chileno Vadívia.

Publicidade

Mas esse é o problema, ele quase nunca está em campo. Cada ausência tem uma desculpa bem preparada pelo jogador e diretoria. E mais uma vez ele não deve atuar no jogo de sábado contra o Coritiba, pois está se recuperando de um edema na coxa esquerda, após defender a seleção chilena no último jogo. O jogo é um confronto direto pela permanência do clube na série A do campeonato. O Palmeiras tem um ponto a mais do que o Coritiba na tabela. Se o time perder, estará em uma delicada situação perante os dois últimos jogos do ano. A esperança é a última que morre. E a torcida mostrou que está ao lado do time nas horas mais difíceis, lotando o estádio, como vimos na inauguração da nova casa, cantando e incentivando. Falta agora a direção do clube e as pessoas que tem o poder de mudar esse triste capítulo na história do clube fazerem a sua parte. #Culinária