As discussões sobre as eleiçoes da Fifa, envolvendo representantes de várias confederações de #Futebol começaram em outubro de 2013, nas comemorações dos 150 anos da Associação Inglesa de Futebol. Blatter, desde então, confirmou sua intenção de concorrer novamente a eleição presidencial da Fifa em maio e procurar um quinto mandato. No entanto, com o prazo de 29 de janeiro da inscrição dos candidatos , há uma preocupação crescente entre os vários executivos da Fifa sobre o futuro da direção do órgão.

No início do mês, Blatter reafirmou que ele tem o apoio de cinco das seis confederações que constituem Fifa. Mas a recente crise dentro do corpo diretivo, decorrente de um inquérito sobre as licitações e corrupções na Copa do Mundo culminou, na semana passada, a renúncia do investigador de ética, Michael Garcia que citou a falta de independência nos processos judiciais da Fifa.

Publicidade
Publicidade

Falando à BBC Sport, uma fonte interna declarou que Blatter está cada vez mais cansado após anos de vários escândalo com horários de trabalho agitado e a queda de popularidade após a decisão das sedes das próximas duas Copas do Mundo na Rússia e no Qatar.

Fontes da Fifa também falaram que com os acontecimentos recentes na Fifa, uma série de potenciais adversários agora estão pesando suas opções de candidatura. A questão a ser colocada dentro dos círculos da Fifa é se Blatter vai apoiar a candidatura de um dos cinco presidentes de confederação caso não se candidate.

A Uefa, confederação de futebol da Europa, continua a ser o maior crítico do desejo de Blatter para continuar como presidente. A associação de chefes de futebol europeus, incluindo o presidente Greg Dyke, disse que Blatter, deve renunciar ao cargo para o bem do esporte.

Publicidade

No entanto, a Uefa tem de propor um candidato próprio. O príncipe Ali da Jordânia é entendido como um potencial candidato que a confederação européia consideraria apoiar.

No entanto, a Confederação Asiática de Futebol (AFC), sob a liderança de Shaikh Salman do Bahrein, declarou forte apoio para Blatter e acredita-se que ele irá lutar para garantir os votos necessários para vencer. O ex-oficial da Fifa, Jerome Champagne, é única pessoa a declarar publicamente seu desejo de estar na presidencia da Fifa.

Porém a atenção entre os internos da Fifa está começando a voltar-se para Jeffrey Webb. Ele foi nomeado presidente da Concacaf, confederação de futebol da América do Norte, Central e do Caribe, em 2012,após o escândalo financeiro envolvendo o ex-vice-presidentes da Fifa Chuck Blazer e Jack Warner. Desde então, ele estabilizou finanças da organização e estabeleceu novas regras anti-discriminação na Fifa, que introduziu novas sanções duras para crimes de racismo dentro do jogo.

Webb afirmou que não pretende concorrer à presidência em 2015, com a expectativa entre os observadores de que ele tem a intenção de direcionar para 2019. Mas à medida que a pressão sobre Blatter continua a construir, e dada a queda de credibilidade da Fifa, Webb pode estar considerando suas opções.