A 16ª edição da Copa da Ásia, que está sendo realizada na Austrália, começou no dia 9 e tem a final marcada para o próximo dia 31. O campeão da Copa vai garantir uma vaga na Copa do Mundo da FIFA 2018, na Rússia.

Apesar de não ganhar destaque na mídia, tanto quanto os torneios internacionais, como a Copa da Inglaterra, por exemplo, um fato curioso tem dado ibope ao torneio.

A Federação Iraniana de #Futebol decidiu proibir seus jogadores de tirar selfies com as torcedoras nos estádios. Se descumprida essa proibição, o jogador será punido.

Sobrou até para o português Carlos Queiroz, técnico da seleção, que foi questionado por Ali Akbar Mohamedzade, diretor do Comitê Disciplinar da Federação Iraniana de Futebol, acerca do comportamento 'inadequado' dos jogadores.

Na Austrália, local da competição, há em torno de setenta mil imigrantes iranianos. No Irã, as mulheres são obrigadas a usar o hijab (véu islâmico que cobre o cabelo e parte do corpo), quando estão em público. Já em território australiano, as mulheres não são obrigadas a seguir as regras de vestimenta instituídas no Irã. A quantidade de fotos de mulheres iranianas posando com os jogadores nos estádios, circulando nas redes sociais, preocupou os dirigentes locais.

Segundo os mesmos, as fotos mostram mulheres com roupas consideradas inapropriadas, de acordo com os códigos iranianos. Essas fotos foram, inclusive, censuradas no Irã.

Segundo Mohamedzade, a proibição deve-se à possibilidade das mulheres usarem as fotos com os jogadores em manifestações políticas contra o país ou até mesmo acusar os jogadores de assédio.

Campanha da Seleção Iraniana de Futebol na Copa da Ásia

Tricampeão da Copa da Ásia, o Irã se tornou hoje líder do grupo C. No jogo, que aconteceu na manhã desta segunda, o time venceu os Emirados Árabes por 1 a 0. O gol foi marcado pelo atacante Reza Ghoochannejhad, aos 46 minutos do segundo tempo.

O time está classificado para as quartas-de-final, onde enfrentará o segundo colocado do grupo D. Grupo na qual Japão tem seis pontos; Iraque, três; Jordânia, três e Palestina, zero.