Mais do que 'Maria Parafinas', surfistas. Depois da consagração do surfista caiçara Gabriel Medina, que conquistou o título inédito de campeão mundial do Pipe Masters, em Pipeline, no Havaí, chegou o momento das meninas marcarem território nas praias do litoral norte paulista, mostrando que elas não ficam apenas na areia esperando os namorados surfistas, mas também querem surfar.

O verão 2015 ainda está no início e nunca se viu tantas mulheres com a prancha em punho a caminho do mar. Seja de stand up ou pranchas menores, muitas meninas decidiram trocar o blush pela parafina. E, em busca da onda perfeita, nota-se que elas preferem praias mais reservadas, que não estejam "com o mar tão lotado", segundo elas.

Publicidade
Publicidade

Diferentemente dos homens, as jovens surfistas exercitam suas primeiras remadas na bodyboard antes de seguir para pranchas maiores, no surfe. Entre os modelos de pranchas preferidos das surfistas no litoral, além da bodyboard, estão a funboard e a evolution, que são pranchas intermediárias consideradas excelentes para praticar o esporte. "Surfar de body era uma tendência normal para quem iniciava no surfe nos anos 80. Hoje em dia, as meninas já começam na pranchinha", explica a surfista profissional, Suelen Naraísa, que é de Ubatuba, considerada a Capital do Surfe, no litoral norte de São Paulo.

Poder Feminino

Para ter uma ideia do poder feminino sobre as ondas, a Escolinha Municipal de Surfe de Ubatuba segue ensinando as primeiras braçadas para elas. Na alta temporada, a unidade recebe cerca de 200 alunas.

Publicidade

No início da escolinha, há aproximadamente 20 anos, eram apenas duas meninas dividindo as pranchas com os homens. "Fica no esporte a garota que gosta mesmo, surfe é um estilo de vida", diz Naraísa.

Além dela, outra surfista brasileira famosa que elegeu o litoral norte como um de seus 'refúgios' é a ex-jogadora da seleção brasileira de voleibol e empresária, Ana Moser. Ela é habitué do Canto do Moreira, na praia de Maresias, costa sul de São Sebastião. "A praia é um local democrático e não existe machismo".

O surfista Alberto Jacob concorda: "Muitas vezes quando vão dividir uma onda com os homens, são elas que se destacam", diz, rendido ao 'Girl Power', que chegou para ficar.

Kit Surfe

As meninas surfistas elegeram o kit surfe, que são aqueles acessórios que não podem faltar para elas na praia. Trata-se de prendedor de cabelo, creme para o cabelo (aplicar na saída do mar), protetor labial, um shortinho curto, roupa de lycra para proteger os seios e barriga, além de protetor solar fator 30 ou 50, uma fruta, bastante água e a parafina. #Natureza