Na segunda-feira (5), o presidente do Grêmio, Romildo Bozan Júnior, em entrevista declarou uma manobra encabeçada por ele para a volta do antigo sistema de mata-mata no Campeonato Brasileiro.

Segundo o mesmo, seriam dois grupos e os quatro melhores de cada grupo fariam as finais do campeonato. As justificativas são: equipes que não começam bem e se recuperam depois, teriam chances de conquistar o título; e equipes no meio da tabela não teriam seus estádios vazios, pois só cumprem tabela em determinado momento do campeonato.

Vale lembrar que a média de público no Brasileirão aumentou a partir de 2003, quando o sistema de pontos corridos foi incrementado.

Publicidade
Publicidade

O Grêmio não conquista o Campeonato Brasileiro desde 1996, naquela emocionante final contra a Portuguesa, com gol de Ailton, aos 42 minutos do segundo tempo.

De 2003 até hoje, apenas times paulistas (São Paulo - 3 vezes; Corinthians - 2 vezes; Santos - 1 vez), cariocas (Fluminense - 2 vezes e Flamengo - 1 vez) e mineiros (Cruzeiro - 3 vezes) venceram o campeonato.

O fato é que o sistema de pontos corridos é o mais justo. Aquele que monta um elenco qualificado e com quantidade, fica com mais chances. Há quem diga que todos os clubes deveriam então receber o mesmo da televisão (Corinthians e Flamengo, por motivos óbvios, são os que mais arrecadam com a televisão), mas o Cruzeiro mesmo sem ser um dos que mais arrecada conseguiu, graças à boa administração, ganhar duas vezes (2013-2014).

Publicidade

Os campeonatos na Europa seguem os pontos corridos. Na Espanha, por exemplo, os vencedores são quase sempre Barcelona e Real Madrid - às vezes, o Valência. Lá, Corunã, e recentemente, o Atlético de Madrid, vencem e ninguém por lá fala em mudar o sistema, pois sabem que para triunfar ante os poderosos Barça-Real terão que montar equipes competitivas e que por consequência, terão boas campanhas na Champions. Na Alemanha então, se é bom é Bayer. É só lembrar do 7 x 1. Na Itália, a Internazionalle foi tetra campeã italiana e ficou nisso.

Para resumir, se o Grêmio quiser voltar a ser campeão nacional é melhor começar a olhar para o próprio umbigo e montar um time de acordo com a sua grandeza, afinal de contas quem foi Campeão Intercontinental em 1981 contra o Hamburgo, não pode ficar reclamando que ninguém quer duas equipes do sul na libertadores. Né, Felipão? #Futebol #Jogos