Lembro nos idos dos anos 70, quando eu ainda era garoto e ia ao estádio com meu pai. Ainda não haviam torcidas organizadas. Eu morava na Vila Romana, reduto de palmeirenses e eu era o único corintiano da rua.

Quase todo domingo e quarta feira, íamos, meu pai, meus irmãos e eu ao Pacaembu ver o Corinthians jogar. E às vezes até ao Parque Antártica pois naquela naquela época o Corinthians jogava lá de vez em quando. A rivalidade existia, mas era muito saudável. Brigas sempre houveram. Mas isso faz parte da natureza humana.

Eram tempos difíceis. o Corinthians ainda estava na fila e poucos anos antes tínhamos um time que foi apelidado de "faz me rir".

Publicidade
Publicidade

Muitas coisas marcaram aqueles momentos. Vi Rivelino jogar, Zé Maria, Vladimir, Romeu cambalhota, Geraldão, entre outros. Mas tem uma lembrança que não sai da memória, naquele tempo durante o intervalo, meu pai descia as escadarias da numerada (naquele tempo não era tão caro o ingresso) e trazia 5 cachorros quentes para mim e para meus irmãos e para ele a sua tradicional cervejinha.

O tempo foi passando, mas mantive o hábito de frequentar jogos de #Futebol. Mesmo quando não tinha jogo do Corinthians, eu reunia os amigos ou cabulava aula e ia assistir qualquer jogo que tivesse.

Já na maioridade, como filho de peixe peixinho é, eu imitava meu pai e sempre no intervalo descia as escadarias e ia pegar minha cervejinha. Fiz muitos amigos ali no alambrado. e às vezes passava o segundo tempo do jogo lá embaixo, me divertindo com os amigos.

Publicidade

E muitos anos se passaram dessa maneira. Tive meus filhos, pude levá-los ao estádio comigo. E no intervalo, sempre continuava pegando minha cervejinha, boa companheira.

Com o tempo o futebol e a frequência aos estádios mudou. No inicio da década de 80, começou a divisão de torcidas por causa do crescimento das torcidas organizadas. A rivalidade começou a se acirrar e muitas vezes eu deixava de ir aos clássicos, pois sabia que poderia dar confusão. Mas, com bom senso, nunca tive nenhum problema dentro do estádio. E minha cervejinha sempre estava lá me esperando, era quase um ritual.

Problemas aconteciam, como ocorrem até hoje, Flanelinhas, roubos de carro, policiais mal preparados etc.. Um dia algum promotor que não vou recordar o nome, resolveu achar o culpado de todos os males do futebol. A cerveja !!! Baniram a cerveja dos estádios, porem esqueceram de banir os mal elementos, os policiais mal preparados. Como se a proibição da venda de cerveja dentro dos estádios evitasse que as pessoas bebessem.

Publicidade

Mas mesmo assim ela foi eleita inimiga pública numero um e nunca mais foi vista nos estádios.

Para mim perdeu a graça. Cadê meus amigos do alambrado? Cadê minha companheira dos intervalos? Quer saber? não fui mais.

Agora, na Copa do Mundo, liberaram a venda de cerveja por alguns dias, nossa amiga. E aconteceu alguma coisa grave? Claro que não. Claro que a culpa não é da cerveja. A culpa é e sempre será da falta de leis e de organização que atinge todos os rincões da sociedade brasileira. #Entretenimento