A noite de quarta-feira (04) foi épica para o Corinthians e sua torcida, pois o duelo ocorrido na Arena Corinthians contra o Once Caldas, da Colômbia, pela pré-Libertadores, foi mais que um jogo de #Futebol, foi um acontecimento, um dos capítulos que ficará para sempre registrado na história do futebol e na mente dos corintianos, presentes no estádio ou não. Existiram vários fatores que tornaram esse jogo algo especial.

O primeiro foi o fantasma do Tolima, time que também é da Colômbia e que deixou muitos traumas, bem como aprendizados para a torcida e para o clube paulista, ao eliminá-lo na pré-Libertadores de 2011, que culminou na não participação na Libertadores do mesmo ano.

Publicidade
Publicidade

O segundo é o clima de libertadores, que por si só já é um clima de decisão, mas de um jeito muito bom, que envolve torcedores, jogadores, comissão técnica e o clube. Desde a conquista em 2012, que o Corinthians não sente mais a pressão da Libertadores de forma negativa, agora é como se fosse a cara e o jeito do clube, é como se os dois fossem um só. O Corinthians se tornou um especialista em Libertadores e não quer mais ficar sem disputá-la, pois o clube tomou gosto pelas conquistas internacionais, e mais do que isso, o que o motiva é a vontade de estar de volta ao topo do mundo, disputando novamente o Mundial de Clubes.

O terceiro ingrediente era em torno da desconfiança com o grupo atual do Corinthians, por parte da imprensa e de grande parte da torcida alvinegra, principalmente em relação a alguns jogadores, como por exemplo: o zagueiro Felipe, que sempre que entrava no time deixava a torcida gélida, e isso aconteceu devido a alguns erros que o jogador cometeu nas vezes que teve chances de atuar; o atacante Emerson Sheik, que a torcida  tem como ídolo, mas que desconfia do futebol que ele ainda pode produzir, por causa de sua idade e do contestado Jadson, que até hoje não conseguiu cair nas graças do torcedor, devido ao seu rendimento abaixo do esperado no clube paulista.

Publicidade

Mas o time inteiro jogou muito bem, principalmente Jadson, Felipe, Renato Augusto e Emerson Sheik, que foi o nome do jogo  e saiu aplaudido pela torcida.

O quarto ingrediente, e o mais emocionante, foi a festa linda que a torcida corintiana proporcionou na Arena Corinthians, foi digna de uma torcida que é conhecida como "fiel" - e que é conhecida assim não por acaso, pois ama seu clube incondicionalmente e não o abandona jamais. E ontem, essa nação demonstrou um sentimento elevado de orgulho, por estar vendo pela primeira vez na história do Corinthians, um jogo de Libertadores em sua própria casa - por isso também era vital começar a escrever de maneira positiva a história do alvinegro paulista na Libertadores, jogando em seus domínios. E esse dia emblemático terminou com um resultado que descreveu toda a intensidade e pluralidade de emoções e sentimentos que envolveram a Arena Corinthians: Corinthians 4x0 Once Caldas.

O Corinthians tem uma magia particular, que o transforma em um clube especial, diferente dos outros: o amor verdadeiro e incondicional dos corintianos.

Publicidade

E o que traduz isso é um ditado que o corintiano sempre repete: "O Corinthians não é um time que tem uma torcida. O Corinthians é uma torcida que tem um time". #Entretenimento