O #Futebol foi suspenso indefinidamente no Egito. Esta decisão foi tomada pelo governo depois de domingo (8), dia em que 19 torcedores morreram em confrontos com a polícia em tumulto do lado de fora de um estado de Cairo. O Executivo anunciou a medida na noite deste domingo, depois que a polícia de choque enfrentou centenas de torcedores que estavam causando tumulto com bombas de gás lacrimogêneo.

O Egito já havia suspendido a competição em 2012, quando 74 torcedores morreram em tumultos no jogo em Port Said. A violência provocou indignação generalizada contra a polícia e o conselho de transição militar que governava o país na ocasião.

Domingo (8), foi o primeiro jogo do campeonato egípcio realizado com o público presente desde a suspensão em 2012. E o resultado foi esse, 19 pessoas mortas, 22 policiais feridos e 18 agitadores foram detidos, disse um porta-voz do Ministério do Interior, corrigindo um saldo anterior de 22 mortos.

"As 19 mortes foram ocasionadas pelo tumulto da torcida. Não houve mortos com ferimentos à bala", disse Khaled Al Khatib, chefe dos serviços de emergência do Cairo, esclarecendo as dúvidas que indicavam que a polícia teria matado os torcedores. "Muitas das vítimas tiveram o pescoço quebrado", acrescentou.

Para o jogo de domingo, o número autorizado de torcedores na partida estava limitado a 10.000 pessoas, mas a multidão do lado de fora rapidamente superou este número e tentou invadir o estádio pelo portões e escalando os muros", disse o Ministério do Interior em um comunicado.

Os torcedores que pertenciam ao grupo do Ultra White Knight tentaram entrar à força no estádio. Segundo a polícia, foi usado gás lacrimogêneo para dispersá-los. Os torcedores responderam com fogos de artifício, segundo as testemunhas.

O governo respondeu rapidamente a esses atos de vandalismo e suspendeu por tempo indeterminado o campeonato de primeira divisão. "Até que seja decidida uma data para reiniciar o campeonato", segundo um comunicado do gabinete do primeiro-ministro Ibrahim Mahlab.