Certamente, não se trata de um dos pilotos mais queridos pelos fãs brasileiros da velocidade. Alain Prost é, sem dúvida, um dos mais talentosos campeões da história da Fórmula 1. O Professor, como ficou conhecido por sua técnica apurada, completa sessenta anos de idade nesta terça-feira (24).

Uma história de sucesso escrita nas pistas

Prost competiu na Fórmula 1 como piloto em 13 temporadas entre os anos de 1980 e 1993 (apenas em 1992 esteve ausente) e conseguiu a impressionante marca de 51 vitórias, que o credencia como o segundo piloto que mais venceu grandes prêmios na categoria. Conseguiu o título mundial em quatro oportunidades (1985, 1986, 1989 e 1993) e largou na pole-position por 33 vezes. O francês ganhou notoriedade por suas estratégias de corrida e controle psicológico.

Depois de estrear na Mclaren, Alain Prost correu por quatro anos na equipe Renaut, onde conquistou sua primeira vitória, no GP da França de 1981 e um vice-campeonato em 1983, em uma disputa acirrada com o brasileiro Nelson Piquet, que só foi decidida na última prova. De volta à equipe inglesa, escreveu os capítulos mais gloriosos de sua história no #Automobilismo. Em 1984 perdeu o título mundial para Niki Lauda por apenas meio ponto, mas no ano seguinte conquistou enfim seu primeiro campeonato com soberania.

O bicampeonato veio no ano seguinte, quando superou o favoritismo das Williams de Nelson Piquet e Nigel Mansell, em uma disputa que foi definida apenas na última etapa da temporada, disputada na Austrália. Já em 1987, embora a McLaren não tenha conseguido desenvolver um carro campeão, esteve por três vezes no lugar mais alto do podium, superando o histórico recorde de vitórias de Jackie Stewart e tornando-se o maior vencedor da categoria, marca que só veio a ser superada por Michael Schumacher muitos anos depois.

Prost x Senna: A rivalidade

No ano de 1988, com a parceria entre a McLaren e a Honda, Ayrton Senna desembarcou na equipe inglesa para ser o companheiro de equipe de Alain Prost. Companheiro por pouco tempo, pois logo os dois pilotos monopolizaram a disputa pelas vitórias e pelo campeonato. Embora com um número maior de pontos, Prost viu o brasileiro levar a melhor graças aos descartes e levantar seu primeiro título.

O troco viria no ano seguinte. Alain Prost dominou a temporada, obrigando Senna a vencer as três últimas corridas para reverter a situação. Na Espanha, vitória do brasileiro. No GP do Japão, após largar melhor, Prost liderou a maior parte da prova, até que em uma investida de Senna os dois carros se tocaram. Alain Prost abandonou a corrida, enquanto Senna conseguiu a vitória, mas foi desclassificado por infringir o regulamento ao retornar à pista, ficando o título mundial com o francês.

Com o desgaste dentro da equipe, Prost se transferiu para a Ferrari, disputando o título até o GP do Japão, quando uma nova colisão entre os dois pilotos, desta vez premeditada pelo brasileiro, definiu o campeonato. Em 1991, a Ferrari não conseguiu ameaçar a Williams e a McLaren, levando Prost a se afastar no ano seguinte. O retorno em 1993 foi para encerrar a categoria em alto estilo conquistando seu quarto título a bordo da Williams 'de outro mundo', assim conhecida por causa de seu aparato tecnológico.

Alain Prost ainda seria proprietário de uma equipe que levou seu nome, mas será marcado na história do esporte como o grande piloto que foi. Atualmente, comanda a equipe e.Dams, da Fórmula E, que tem seu filho Nicolas como um dos pilotos.