A fala mansa e pausada nas entrevistas contrasta com o estilo aguerrido em campo. Destaque no primeiro Grenal da decisão gaúcha, o novo titular da lateral esquerda colorada quer tomar conta de uma posição que, quando ninguém esperava, ficou vaga. De perto, Geferson viu Fabrício, o então dono da camisa 6, surtar em campo no Beira-Rio diante do Ypiranga e brigar com incrédulos 10 mil torcedores perplexos com os gestos do jogador. De longe, ele viu Kléber desfilar sua qualidade técnica por quase cinco temporadas, levantar títulos e, enfim, servir de grande inspiração.

Dos 20 anos já vividos, cinco foram no Inter. Quando pisou pela primeira vez no Beira-Rio para ser apenas mais um entre tantas promessas que podem vingar ou não a partir das categorias de base, Kléber já era titularíssimo e incontestável no time.

Publicidade
Publicidade

Com assistências precisas e um passe de rara técnica, o antigo lateral fez história no Inter ao fazer parte do grupo que venceu a Libertadores de 2010.

Neste período, Geferson, ainda menino, ia tímido ao estádio apenas para ver o seu ídolo jogar. "Eu gostava demais do Kléber. Logo que eu cheguei aqui ele já jogava e eu ia nos jogos para poder vê-lo. Era muito raro ele errar um cruzamento. Mas cada um tem sua maneira de jogar. Quero seguir o meu caminho", frisou o garoto, refutando, de cara, qualquer tipo de comparação.

Na equação nem sempre exata que compõe o #Futebol, Geferson acredita que talento sem treino não serve para muita coisa. Para ele, o seu ídolo tinha facilidade justamente pela prática. No dia a dia, o jovem tem se dedicado a aprimorar os fundamentos, sempre sob o olhar perfeccionista do comandante Diego Aguirre.

Publicidade

"Cada jogador tem a sua característica e o seu modo de jogar. A minha é a marcação, mas com o passar do tempo e com mais confiança poderei me soltar mais para chegar também no ataque. O Aguirre nos passa muita confiança", contou Geferson.

No próximo domingo, às 16h, diante de um Beira-Rio lotado, Geferson terá a chance, justamente contra o tradicional rival, de levantar sua primeira taça com a camisa que Kléber se acostumou a erguer. #Entretenimento #entrevista