Não foi fácil para o #Cruzeiro derrotar o Universitário Sucre, da Bolívia. A Raposa teve imensas dificuldades para furar o bloqueio defensivo dos bolivianos, que atuaram com uma linha de marcação de praticamente nove atletas na intermediária defensiva. Graças as boas atuações de Arrascaeta, ou para os mais chegados 'Arrascaneta', e também do sempre predestinado Willian Bigode, o time mineiro conseguiu arrancar a vitória por 2 a 0 e garantiu a classificação para as oitavas de final da Libertadores.

Depois de um início de competição titubeante, com tropeços seguidos, o Cruzeiro chegou a 11 pontos no grupo 3, fechando na primeira posição.

Publicidade
Publicidade

O Universitário Sucre, mesmo com a derrota, conseguiu a classificação, graças ao papelão do Huracán (ou Robin Hood), que arrancou pontos dos melhores do grupo, mas abriu as pernas diante do fraco Mineros de Guayana (VEN), ao apanhar por um vergonhoso 3 a 0.

No jogo, o Cruzeiro teve muitas dificuldades, principalmente na etapa inicial. A insistência nas bolas cruzadas facilitava o trabalho defensivo do Sucre, que formado por uma linha de cinco defensores, praticamente dentro da grande área, e mais quatro atletas a frente do setor, anularam 90% das investidas cruzeirenses.

Mas como o Cruzeiro é brasileiro e não desiste nunca (nem da jogada que estava dando errado), uma bola vadia, cruzada da direita para esquerda, após boa jogada do excelente Arrascaeta, a redonda sobrou para Willian Bigode fuzilar e abrir o placar, para a festa da massa celeste presente no Mineirão.

Publicidade

Este foi o golpe de misericórdia do primeiro tempo, pois nada mais foi criado. O segundo tempo iniciou como o primeiro, mas com o Sucre um pouco mais ousado. Para baixar a bola dos bolivianos, Léo aproveitou uma bola cruzada de um escanteio e ampliou o placar. O atleta tornou-se o segundo zagueiro com mais gols feitos na história do Cruzeiro, perdendo apenas para Cris (25 a 16).

Colocando um pouco de fogo na partida, já monótona com o placar de 2 a 0 para a Raposa, o técnico Marcelo Oliveira colocou o bom Gabriel Xavier, que fez um estrago na defesa boliviana e só não anotou um gol antológico graças ao goleiro Olivares.

No fim das contas, houve comemoração dos dois lados. Até mais do Sucre, que conquistou uma classificação histórica para a fase de oitavas de final da Libertadores. Dependendo das combinações de resultados, este duelo pode voltar a acontecer. #Futebol #Resenha Esportiva