A Seleção Brasileira está "renascendo" com alguém que tem passado a vida inteira "renascendo" também. Por volta de 1978, Dunga partiu do interior do Rio Grande do Sul para as categorias de base do Internacional de Porto Alegre. Não era o mais habilidoso, mas estava predestinado e por sua determinação, em 1982 já era jogador profissional, tendo sido bi-campeão gaúcho e medalha de prata na Olimpíada de Los Angeles.

Não foi convocado para as Copas de 1982 e 1986 e parecia que seus dotes não o levariam à seleção. Porém, surpreendeu: em 1990, o Brasil precisava de jogadores mais determinados e lá estava Dunga. O Brasil foi eliminado pela Argentina e ele foi alijado como representante de um #Futebol tosco e sem perspectivas de vitórias.

Publicidade
Publicidade

Mas em 1994, novamente surpreendeu: não só foi convocado para a disputa da Copa do Mundo como foi o capitão da conquista.

Sua carreira como treinador começou na seleção brasileira, que se preparava para a Copa de 2010. Os resultados começaram a aparecer: em 2006, foram cinco vitórias e um empate; em 2007, dez vitórias, cinco empates e duas derrotas; em 2008, seis vitórias, três empates e duas derrotas; em 2009, catorze vitórias, dois empates e uma derrota; e em 2010, após vencer três amistosos preparatórios, começa a Copa do Mundo vencendo os cinco primeiros jogos, mas após uma falha gritante do goleiro brasileiro, foi eliminado pela Holanda.

Dunga saía de cabeça erguida, mas totalmente "torrado" por uma rede de TV, a quem negou privilégios desde 2006, em benefício de um trabalho sério e sem shows televisivos.

Publicidade

O treinador conquistou a Copa América em 2007 e a Copa das Confederações em 2009, e obteve 42 vitórias e 6 derrotas em cinco anos de comando.

Após deixar a Seleção Brasileira em 2010, Dunga apenas volta a treinar a convite do Internacional em 2013, quando conquista o Campeonato Gaúcho. Depois se afasta novamente como treinador.

Quando toda a imprensa apontava Tite como novo treinador para apagar o vexame da Copa do Mundo no Brasil, surpreendentemente, Dunga é chamado. Convoca novos nomes e devolve a moral aos jogadores, somando em sete meses de trabalho, oito vitórias em oito jogos. Dunga está novamente ensinando à Seleção Brasileira como "renascer das cinzas" e nisto ele é mais que um craque, é um mestre. #Seleção de Futebol