Gabriel Fernando Jesus, 17 anos, atacante rápido e artilheiro, é um caso raro ao ser idolatrado pela sempre muito exigente torcida do Palmeiras mesmo jamais tendo feito um gol em partidas oficiais entre os profissionais do verdão. Vale-se, com justiça, dos gols marcados pelo sub-17 e na Copa São Paulo de #Futebol Júnior.

Muito dessa euforia sobre a jóia palmeirense se deve ao fato de que o Palmeiras nunca foi um grande formador de talentos ofensivos. O último grande atacante revelado pelo Palmeiras foi Vágner Love em 2003, hoje jogador do mais tradicional rival palmeirense, o Corinthians.

Apesar de toda empolgação em torno de Gabriel Jesus, fica a dúvida: Gabriel Jesus se tornará um craque como #Neymar se transformou ou apenas ficará marcado como sendo uma promessa fracassada como Lulinha?

Exatos seis anos antes de Gabriel Jesus iniciar sua trajetória como profissional, o Santos enfrentava o Oeste pelo campeonato Paulista, quando, na altura dos 30 minutos do segundo tempo, o jovem fenômeno Neymar, também com 17 anos, fazia sua estreia entre os profissionais ovacionado pela torcida presente na Vila Belmiro.

Publicidade
Publicidade

Assim como Gabriel, Neymar tinha números impressionantes nas categorias de base e chegou aos profissionais com status de novo craque e ídolo da torcida.

Lançado com calma durante o ano de 2009, Neymar começou 2010 demonstrando que toda expectativa em cima de seu futebol era mais do que válida. Com muitos gols e jogadas espetaculares foi se tornando ao longo dos anos seguintes o craque que hoje encanta o mundo com as camisas do Barcelona-ESP e da Seleção Brasileira.

Luiz Marcelo Morais dos Reis, Lulinha como é conhecido, teve um início muito semelhante ao de Neymar e Gabriel Jesus.

Alçado ao time profissional do Corinthians com 17 anos, chegou a equipe alvinegra com status de "salvador da pátria" para um time que lutava contra o rebaixamento no campeonato Brasileiro de 2007, e não à toa.

Publicidade

Lulinha marcou mais de 200 gols na base do clube alvinegro, o que fez o Corinthians valorizar o meia-atacante e estipular a sua multa rescisória em US$ 50 milhões. Porém, mesmo titular, Lulinha não conseguiu ajudar a equipe escapar do rebaixamento e em 2008 foi deixado de lado pelo técnico Mano Menezes por não apresentar aquele brilho que tinha nas categorias de base do timão.

O meia-atacante permaneceu até 2009 no clube mas não conseguiu se firmar e foi emprestado para várias equipes até o final de seu contrato, em dezembro de 2012. Hoje emprestado pelo Ceará ao Red Bull Brasil, tenta deixar de ser uma eterna promessa e se tornar um jogador importante para a equipe de Campinas.

Que a história de Lulinha sirva de lição para Gabriel Jesus, para o Palmeiras e para a torcida Palmeirense. Se lançado com tranquilidade aos profissionais, podemos presenciar o nascimento de um novo craque em gramados brasileiros. Se lançado com a pressão de ser um salvador da pátria em uma equipe sem organização, podemos estar diante de mais uma eterna promessa, que sim, poderia ser um novo Neymar.

Publicidade