Para atingir um sonho, Anderson Silva já tem a receita: voltar às origens. Quase 23 anos depois de abandonar o taekwondo para se dedicar a outras modalidades, Spider voltará ao esporte por onde tudo começou mirando o grande objetivo de defender as cores do Brasil nas Olimpíadas do Rio de Janeiro em 2016. Em coletiva de imprensa realizada no Rio, nesta quarta-feira (22), ele garantiu que não poupará esforços para estar nos Jogos na nova e velha modalidade.

"Quero devolver para o esporte tudo o que o esporte me deu. Comecei nele e o taekwondo mudou totalmente minha história. Nunca parei de treinar e já estou treinando de novo.

Publicidade
Publicidade

Sempre foi uma coisa que quis fazer, mas os compromissos dentro do UFC me impediam. Agora tenho essa oportunidade", contou Anderson, que foi flagrado no doping em fevereiro e aguarda o julgamento.

Para os Jogos de 2016, a seleção brasileira, por ser sede, tem quatro vagas garantidas para o taekwondo, sendo duas para os homens e outras duas para as mulheres. Outras quatro podem ser conquistas por atletas brasileiros. As seletivas internas, que apontarão os nomes classificados em cada categoria da modalidade, serão realizadas no início do próximo ano. Carlos Fernandes, presidente da Confederação Brasileira de Taekwondo (CBTKD) descartou qualquer tipo de vantagem ou regalia a Spider.

"Faremos uma seletiva nacional sem levar o ranking em conta. Queremos ver a chapa esquentar mesmo. Entendemos que o atleta bom é aquele que está em dia.

Publicidade

Isso vai prevalecer para quem vai às Olimpíadas", salientou Fernandes.

Assim que foi ventilada a possibilidade de Anderson Silva participar das seletivas olímpicas da modalidade, o principal lutador brasileiro de taekwondo na categoria superior a 80kg fez um desabafo em uma rede social, dizendo que a discussão era motivo de "piada" e que Spider teria que "se preparar muito para não passar vergonha".

Doping

Flagrado no doping após lutar no início de fevereiro contra o norte-americano Nick Diaz, Anderson Silva ainda aguarda o julgamento. A primeira audiência para ouvir a defesa deverá ocorrer no mês de maio. No entanto, a CBTKD considera que não há impedimento do lutador participar das seletivas olímpicas mesmo com esse processo em curso. A alegação é que a Comissão Atlética de Nevada não está interligada com a Agência Mundial Antidoping. Sobre o tema, Anderson mostrou-se seguro: "Eu estou respeitando todo o processo, o julgamento foi adiado de novo e estou aguardando porque realmente não sei o que ocorreu. Por isso que ainda não havia me pronunciado. De repente falo uma coisa que não sei e saio prejudicado. Sobre um possível impedimento de participar dessa seletiva às Olimpíadas, acho que são coisas distintas. Mas o que a comissão determinar, eu como atleta devo acatar", finalizou Spider. #Entretenimento #Rio2016