Sob o olhar do ator inglês Benedict Cumberbatch, as Mercedes mantiveram a ponta na largada, enquanto a Ferrari e as Williams travaram um duelo de maxilar duro e dentes cerrados logo nas primeira curvas. Massa a Bottas ameaçaram pular à frente, mas acabaram superados por Vettel e principalmente Raikkonen, tudo na primeira volta. Foi o principal momento de uma corrida sonolenta e extremamente previsível.


Entre aqueles que abandonaram cedo, Hulkemberg apresentou um problema no câmbio. Seu carro fumegou um pouco, mas nada comparado ao motor estourado de Kvyat. Parecia que a traseira da Red Bull era a chaminé da Capela Sistina em dia de eleição de Papa. Um russo acabou defumado.


Falando no rubro taurino, Riccardo não teve muitos motivos para sorrir. Engatando um maroto ponto neutro na hora errada ficou pelo caminho. Lá atrás, brigou intensamente pela 11ª posição com Ericksson. Perdeu a tangência na curva, ultrapassou, foi ultrapassado e finalmente conquistou a posição. Mais à frente a mesma briga ocorreu pela 10ª, com o sueco se defendendo bem novamente, mas sucumbindo ao australiano.


Sem grandes emoções (aliás, quase nenhuma), vale destacar a boa corrida da Sauber de Nasr. Largou em 9º e flutuou entre a 10ª e a 8ª. Imprevisível mesmo foi Maldonado, que errou a freada na entrada do box, rodou sozinho sem explicação e quase estragou a Lotus que (ainda) está sob sua responsabilidade. Cada vez que era focalizado pela transmissão, uma alegria diferente.


Por outro lado, é triste ser testemunha do calvário de Alonso e Button. Dois excelentes pilotos comendo o pão que o diabo amassou na rabeira do grid. Próximo do fim, o outrora campeão Button estava brigando com Maldonado pela 13ª posição e ainda acabou acertando a traseira da Lotus. Sorte do espanhol, logo atrás. É muita derrota para uma corrida e para uma só equipe. Pobre McLaren...


Bem estava Max Verstappen - o Verstappinho - mas faltando duas voltas para o fim, sua STR literalmente travou. O tio do carro de segurança, quase dormindo, foi requisitado na bacia das almas. Mas genial mesmo foi o comissário de pista, tentando fazer o carro entrar pela passagem para os boxes. O cidadão manobrou o carro "bizonhamente", batendo o caro brinquedo no muro pelo menos três vezes. A equipe correu para resguardar pelo menos o bico, antes que acabasse detonado pelo chinês. Era o Maldonado tentando colaborar? Melhor momento.


FIM DE PROVA! Sem suar, Lewis Hamilton venceu, com Nico Rosberg logo atrás e, fechando o pódio, Sebastian Vettel e sua Ferrari. Massa termina em 5º e Nars em 8º.


A próxima corrida é no Bahrein, no dia 19 de abril.
#Automobilismo #China