O autor do gol mais importante da história do Internacional segue sendo decisivo pelos gramados mundo afora. Disputando a Divisão de Acesso do Campeonato Gaúcho pelo Panambi, o meia Adriano Gabiru marcou neste domingo (24) o gol da vitória por 3x2 do seu time diante do Santo Ângelo. Com o placar empatado em 2x2 até o final do jogo, coube ao eterno camisa 16 colorado resolver a parada e fazer o gol decisivo.

Assim como ocorrera em Yokohama, no Japão, há quase nove anos, Gabiru saiu do banco para definir a partida. Por opção do treinador do Panambi, Lúcio Colette, o meia de 37 anos iniciou o duelo entre os reservas. Na virada do primeiro para o segundo tempo, Colette excedeu-se nas reclamações dirigidas ao trio de arbitragem e foi excluído do jogo.

Publicidade
Publicidade

Mesmo assim, colocou Gabiru em campo no lugar de Paulo.

Aos 11 minutos do primeiro tempo, o Panambi abriu o placar com Alexandre. A resposta do Santo Ângelo não demorou e aos 22 min Charles subiu livre e testou para as redes. Aos 37, virada dos visitantes: Padel cobrou falta da intermediária e não tocou em ninguém antes de entrar, 1x2. No segundo tempo, aos 12 minutos, Gilliardi perdeu um pênalti para os mandantes. Em desvantagem no placar, o Panambi se lançou à frente e chegou ao empate com Catatau, aos 29. Quando tudo parecia rumar para um empate, eis que surge a estrela de Adriano Gabiru. Dos pés do meia, aos 40 minutos, saiu o tão esperado gol da vitória do Panambi.

Em 2006, a história não foi muito diferente da reescrita hoje. Na final do Mundial de Clubes diante do poderosíssimo Barcelona, de Ronaldinho Gaúcho, Deco e cia, o Inter de Abel Braga segurava heroicamente um empate em zero a zero até o meio do segundo tempo, quando o então capitão Fernandão sentiu câimbras na panturrilha e teve de ser substituído.

Publicidade

Gabiru, o escolhido por Abel naquele dia, faria aos 36 minutos do segundo o gol mais importante da história do Inter depois de grandiosa jogada de Iarley.

Ausente do #Futebol nas últimas temporadas, o jogador decidiu voltar aos gramados em 2015. Assim que foi contratado pelo Panambi, admitiu em entrevista concedida em Curitiba, local onde reside, que não consegue ficar longe dos campos. "No ano passado, fiquei parado. Agora quis recomeçar, porque só sei fazer isso. É a minha vida", falou Gabiru, um eterno escravo da bola. #Sport Club Internacional