Finalmente a grande decisão programada para o domingo, (3). #Santos X #Palmeiras se enfrentam pela segunda partida das finais, para definição do clube vencedor. Como o Palmeiras venceu o primeiro jogo, o Peixe na teoria teria que vencer por dois gols de diferença, diferença esta desdenhada pelo Santos, desde o final do primeiro jogo, ainda na arena do Verdão. Afinal na vila Belmiro, o Santos é sempre Santos, em seu alçapão, o time do Robinho tinha uma missão; (e) com a ajuda da torcida foi cumprida, por excelência digna de Rei.

A partida começa com os times se desequilibrando psicologicamente, como seria óbvio. O jovem árbitro tenta manter a ordem na casa, mas como de costume, não funciona muito bem.

Publicidade
Publicidade

O resultado, foram diversos cartões amarelos, expulsão (tentativa frustrada de controle da situação) de Geovânio (Santos) e Dudu (Palmeiras). Como o clube praiano precisava do resultado, então "bora" lá correr...numa dessas jogadas antecipadas em lançamento importado da Colômbia feito por Valencia e exatamente do meio campo, Robinho (Santos), recebe ajeitando de "três dedos", para David Braz aos 29 minutos, empurrar e comemorar o gol, premiando a genialidade simples e coletiva do Peixe.

jogo fica mais aberto, no instante que brilha a estrela de Ricardo Oliveira aos 43 minutos do jogo, em jogada dividida e individual, faz belo gol e deixa sua marca, também nas finais.

Segundo Tempo

Segunda etapa, interesse inverso. Agora o Palmeiras precisa do gol, mais do que o Santos; portanto eles que venham! E tome Verdão: o mago Valdívia, embora não estivesse em dia feliz, tira da cartola lançamento precioso, para infiltração de Lucas aos 64 cravados no relógio, nas costas de Ricardo Oliveira, deixar os Porcos felizes outra vez.

Publicidade

O aguerrido time alviverde, bem que tentou; e em boa cobrança de falta de Claiton Xavier, o goleiro Vladmir rebate; na jogada seguinte o gol palmeirense ocorre, porém em impedimento; Esse é o momento em que os torcedores e atletas, discretamente vão desanimando da vitória convencional. Destaque negativo para Vitor Ramos, zagueiro do Palmeiras, ao ter praticado um golpe de arte marcial no oponente, subiu a perna ao máximo e comprometeu a valente atuação de sua equipe, ocasionando expulsão desnecessária. Generalizado com isso, o desespero verde.

Disputa por penais

O campeão teria que comprovar seu mérito através de cobranças alternadas e por pênaltis. Na primeira oportunidade Claiton Xavier conferiu, para o Palmeiras. Para o Santos, seu primeiro batedor foi o bom zagueiro David Braz, que também não desperdiçou. Aí a ironia passou na baixada neste domingo, pois o atacante artilheiro Rafael Marques, cobrou com paradinha...e insucesso. Segunda oportunidade para o Santos: o jovem Gustavo Henrique, converte muito bem.

Publicidade

Terceira penalidade palmeirense e Jackson acerta o travessão em cheio. Vitor ferraz, cobra e comemora seu gol com os santistas. Nessa hora Robinho não se contém e sente o prazer, convertido em lágrimas de satisfação pelo esforço e dedicação de seu grupo. As chances do Palmeiras eram mínimas, Leandro Pereira com determinação fez seu gol, mas infelizmente não bastava, para o Verdão continuar, o Santos não poderia marcar o gol em sua quarta cobrança. O profissional fashion, Lucas Lima foi o último a bater, não tomando conhecimento da responsabilidade, cobrou com categoria e tranquilamente seguiu em direção a todos, comemorando seu suado e digno título do Paulistão 2015. Tempo normal 2X1 para o Santos, já nas cobranças de pênaltis: Santos 4, Palmeiras 2. #Futebol