Fazendo história no #Futebol, o Barcelona se destaca com um trio sul-americano: Neymar, Messi e Suárez.

De fato, da mesma forma como na Guerra do Paraguai, no século XIX, Brasil, Argentina e Uruguai formaram a Tríplice Aliança, lutando lado a lado, os três formam um ataque dos sonhos no time, que não para de marcar gols.

Messi, argentino que foi acolhido pela Espanha como um filho, hoje é um orgulho para os espanhóis, torcedores ou não do clube catalão, por sua genialidade aparentemente infindável, que torna qualquer esquema empregado pelos técnicos que já passaram por seu time algo viável e produtivo. Passe, arremate, toque refinado, tabelamento, lançamento, todos os fundamentos ele domina e toca na bola como um Rei Midas, transformando qualquer jogada aparentemente inofensiva em um lance de ouro.

Publicidade
Publicidade

Sua genialidade aflora nos momentos mais casuais desconcertando marcadores e torcedores dos times rivais.

Neymar, brasileiro, menino de ouro, precoce, responsável, motor da seleção brasileira, onde em meio a craques é, indiscutivelmente, o maior craque, encontrou no Barcelona, após um leve período de aclimatação, campo fértil para desenvolver ainda mais seu enorme potencial futebolístico.

Luizito Suárez, uruguaio, impulsivo, explosivo, efetivo, de promessa já brilhando no futebol italiano, antes do Campeonato Mundial realizado no Brasil, rapidamente se confirmou como craque e mesmo comprometido por uma suspensão imposta pela famosa mordida no adversário em jogo da Copa, o Barcelona não titubeou em contratá-lo.

Não importa quantos títulos há de conquistar este trio de craques, sua presença em campo é garantia de um futebol vistoso, ágil e que encanta todos, até mesmo os adversários, e que é motivo de rasgados e unânimes elogios emanados da imprensa mundial.

Publicidade

Aquela máxima de que a #Europa joga futebol e que a América brinca de jogar bola, se confirma ao constatarmos que é atravessando o Atlântico que a Europa busca sem cessar uma plêiade de craques desde a mais tenra idade, como no caso de Messi, para formar suas melhores esquadras.

Há algo que nem o vigor dos craques da África, nem a disciplina dos craques europeus conseguem trazer de berço para apresentar nos gramados. Volta e meia aparece um sulamericano, sabe-se lá como, para brindar aos amantes do futebol com sua genialidade. #Famosos