Com um empate contra o México e uma vitória sobre o Equador, o Chile precisa, no mínimo, empatar com a Bolívia no domingo para não ser eliminado da #Copa América em seu próprio pais.

O meia Arturo Vidal, com três gols, é destaque na Seleção, junto com Valdívia e Aranguiz e sua presença seria fundamental para levar o Chile à vitória contra a Bolívia e assim, além de fugir do fantasma da eliminação, classificar-se em vantagem para a próxima fase do torneio.

Porém, um fato inesperado colocou o #Futebol chileno em evidência nos noticiários: aproveitando uma breve folga, Vidal saiu ontem (16) para jantar com a esposa e na volta bateu, ou melhor, destruiu sua Ferrari em uma forte colisão.

Publicidade
Publicidade

Foi constatado índice de álcool acima do normal e depois de uma discussão com os policiais que atenderam a ocorrência, Vidal foi conduzido a uma delegacia, tendo ali permanecido por longo tempo.

Hoje (17), foi julgado e condenado a se apresentar às autoridades chilenas mensalmente, mesmo estando fora do Chile, no caso junto ao consulado chileno de Milão, na Itália. Além disso teve sua carteira de habilitação retida.

Perdoado pelo técnico Jorge Sampaoli, poderá integrar seu time nos jogos que o Chile disputará. Por tratar-se de fato fora do âmbito do futebol, o fato de dirigir alcoolizado só traria conseqüências se a Federação Chilena optasse por afastá-lo da equipe. Havia já um clamor popular para a reintegração do craque chileno, o que foi concretizado.

Garrincha 

O fato faz lembrar um episódio ocorrido em 1962, durante a Copa do Mundo disputada no Chile, quando o craque brasileiro Garrincha foi expulso, na semifinal disputada contra o Chile.

Publicidade

Em função da expulsão ele seria, provavelmente, impedido de jogar a Final da Copa. Mas houve o julgamento.

Durante o julgamento, realizado às vésperas da Final, o atleta foi absolvido, pois o juiz de Brasil x Chile, o peruano Arturo Yamasaki, declarou que não viu a falta cometida por Garrincha que ocasionou a expulsão e que o fez com base na denúncia feita por seu auxiliar, o uruguaio Esteban Marino.

Esteban, que deveria estar presente no julgamento, não compareceu e por mais que fosse procurado, tanto no Chile quanto no Uruguai, misteriosamente, não foi localizado até o final do Campeonato, vencido pelo Brasil, com atuação brilhante de Garrincha, na vitória por 3x1 contra a Tchecoeslováquia.