O bicampeonato brasileiro alcançado nas duas últimas temporadas não foi suficiente para manter Marcelo Oliveira à frente do #Cruzeiro. Depois de dois anos e cinco meses dirigindo a equipe mineira, a diretoria do clube confirmou nesta terça-feira (2) a saída do treinador por conta dos recentes resultados, como a eliminação em casa para o River Plate na Libertadores e a situação delicada no início de campeonato brasileiro.

Marcelo havia sido contratado pelo Cruzeiro no final do ano de 2012 para coordenar uma reformulação completa no elenco. Com ele, vários jogadores chegaram. Antes, o treinador havia tido uma discreta passagem pelo Vasco.

Publicidade
Publicidade

No Coritiba, chegou duas vezes à final da Copa do Brasil, em 2011 e 2012, perdendo o título, respectivamente, para Vasco e Palmeiras. Com ele, também deixam o Cruzeiro os auxiliares Tico Santos, Ageu Gonçalves e o preparador físico Juvenílson de Souza.

Na Toca da Raposa, o início de trabalho de Marcelo Oliveira era visto com muita desconfiança por parte da torcida em razão do passado vivido no rival Atlético-MG. Porém, o comandante deu a volta por cima ao liderar uma equipe que reinou absoluta por dois anos seguidos no #Futebol brasileiro, vencendo de ponta a ponta os campeonatos nacionais de 2013 e 2014.

Para a temporada de 2015, uma reformulação geral no vitorioso elenco do time tirou a mecânica de jogo e entrosamento em campo. O último que saísse que apagasse a luz. Da diretoria, o gerente de futebol Alexandre Mattos foi para o Palmeiras.

Publicidade

Destaques do time, Everton Ribeiro e Ricardo Goulart foram jogar no exterior. Egídio, Marcelo Moreno, Borges, Júlio Baptista e Dagoberto também saíram. Dedé se machucou e Lucas Silva foi para o Real Madrid. Os reforços contratados, como Willians, De Arrascaeta e Damião, não conseguiram manter o alto nível dos antigos jogadores.

Em rápidas palavras, o atual gerente de futebol do Cruzeiro, Valdir Barbosa, comentou a saída de Marcelo: "Decidimos hoje por volta de 12h, quando nos reunimos com o presidente. Já estávamos avaliando algumas situações e o presidente entendeu que era o momento de tomar essa decisão".

Com 169 jogos pelo Cruzeiro, Marcelo acumulou 105 vitórias, 32 empates e 32 derrotas, em um aproveitamento de 68,44%.