Virou tendência, não só nos clubes brasileiros, como na Seleção, depender de um jogador, o melhor da equipe, ou jogar em função dele. Uma infeliz tendência, diga-se de passagem. A Seleção Brasileira atualmente joga em função de Neymar, seu esquema tático é elaborado para seu jogo, os canarinhos dependem dele. É o termômetro: se joga mal, o restante também joga mal, pois nenhum outro companheiro tem talento semelhante.

Muitas vezes a Seleção jogou da mesma forma com Ronaldo Fenômeno em campo. Dependia-se unicamente de seus gols, de seu desempenho.

Nas seleções dos anos 80 era diferente. Quando, por exemplo, Zico não ia bem, o Doutor Sócrates resolvia, e se este também estivesse mal numa partida, sobrava para Falcão, Júnior, Roberto Dinamite, e assim por diante.

Publicidade
Publicidade

Não se dependia de um jogador, nem o esquema era em torno de alguém. O mesmo acontece com o próprio Barcelona. Se Messi vai mal, sobra para #Neymar, e assim por diante. Da mesma forma, com o Real Madrid, cuja principal estrela é o português Cristiano Ronaldo.

Logicamente, os companheiros negam o fato, como o goleiro Jefferson fez publicamente: "Ele é quem chama a responsabilidade". Mas não tem como confundir as coisas. O arqueiro do Botafogo está apenas sendo politicamente correto. Finge não reconhecer o óbvio, sem desmerecer a grande estrela do time.

Na partida contra a boa equipe colombiana, não tem cabimento colocar a culpa na má arbitragem, na violência e na catimba do adversário, no momento ruim que Neymar estava passando. A Seleção Brasileira jogou mal, e pronto. Não têm que ter preparo apenas físico e técnico, deve ter um cuidado psicológico também.

Publicidade

Uma equipe que pretenda dar grandes passos deverá estar pronta em relação a essas adversidades. Neymar foi expulso e acabou sendo suspenso, estando agora fora da Copa América. Quem será a referência? Robinho? Ele que nem era titular...

A Seleção está carente de talentos. Os que se sobressaem nos seus clubes e são convocados por Dunga, amarelam junto com a cor da camisa do Brasil, sentem o peso, a responsabilidade. Em ocasiões como esta, o pior adversário é a própria Seleção.

E quanto a Neymar... seu magro corpo carrega um talento paquidérmico. Mas, ter-lhe dado a faixa de capitão da equipe - sem ter o perfil ideal para isso - a camisa 10, comparações com Pelé e outros pesos difíceis de carregar, em vez de aumentar sua moral, afetou sua personalidade. É preciso aliviá-lo de tanto peso. Dêem-lhe a camisa com o número que ele quiser, deixem que outro companheiro seja o capitão, parem de compará-lo a Pelé. Será um bom começo para ajudá-lo em seu processo de amadurecimento profissional.

Publicidade

Somando a tudo isso, que lhes sirva também de exemplo atletas que representam o Brasil e que não ganham nem 20% desse elenco milionário. A Seleção Feminina, mesmo com Marta fora de seus melhores dias, conquistou o primeiro lugar na chave da Copa do Mundo delas, e a Seleção Sub-20 decide o título do Mundial Sub-20 nesta madrugada de sexta para sábado contra a Sérvia. #Seleção de Futebol #Futebol