Confesso que não acompanhei todo o desenrolar da partida entre Brasil e Colômbia, pela Copa América 2015, disputada no Chile. Mas vi por dois momentos distintos que o Brasil carece de um especialista em comportamento e marketing, para mostrar aos atletas brasileiros que, o nome e a fama deles são insignificantes diante da seleção brasileira, principalmente, #Neymar.

Vi o jogador tentar resolver o problema de gols do selecionado brasileiro, mas como sempre, pipocando e se preocupando muito mais em cair e iludir o árbitro do que propriamente buscar o gol. O pênalti seria apenas uma conseqüência da jogada, apesar de que, não cito nenhuma situação de perigo para o escrete canarinho.

Publicidade
Publicidade

Apenas ilustro com um exemplo, para mostrar que o atacante se preocupa muito mais em ir ao chão do que propriamente buscar uma alternativa para as jogadas que se sucedem.

No lance mais polêmico, aquele da bola na mão, em que o árbitro da partida lhe aplica um cartão amarelo, realmente ele não teve culpa. O erro maior foi do árbitro que não aplicou a lei da lógica, de que, ele, o atacante ao cair projetou seu corpo para frente e conseqüentemente o braço veio junto, mas a direção da bola era a do braço.

Para quem tem sangue frio, e não é o caso de Neymar, o cartão amarelo aplicado logo em seguida, deveria servir como uma ducha fria em qualquer pretensão de um jogador. Mas dar um soco na bola, quando esta já estava parada, foi uma atitude de criancinha revoltada. Se o juiz tivesse visto certamente iria aplicar o segundo cartão amarelo e o Brasil, ah! O Brasil! Se é que alguém se lembrou disso que ele existia, ficaria sem sua estrela e sem um homem de criação.

Publicidade

Dunga precisa realmente utilizar todos os recursos que ele usava em campo para brigar e comandar, porque se deixar por conta desses garotos, o Brasil, voltará a ocupar posições mais baixas no ranking, para tristeza de um povo que ama o #Futebol, e sofre com tantos problemas políticos. Isso para não lembrar daqueles famosos 7x1 para a Alemanha na Copa do Mundo.

O fato é que os atletas brasileiros precisam ter mais humildade. Jogar o “feijão com arroz básico” sem comprometer a imagem da seleção que está muito desgastada.

Neymar precisa tomar uma ducha de água bem gelada para esfriar os seus ânimos e parar de achar que só ele consegue resolver tudo sozinho. A seleção brasileira não é novela mexicana para ficar repetindo os mesmos erros do passado. Quando um certo jogador achava que também podia resolver tudo sozinho.

Seleção Brasileira não é lugar para estrelismos e jogadores de salto alto. É lugar para quem gosta de jogar e pensar o futebol de forma coletiva.

#Seleção de Futebol