Para quem achava que Rogério Ceni se aposentaria em julho deste ano, se enganou. O goleiro-símbolo do clube paulista acertou sua permanência embaixo das traves até o dia 31 de dezembro. A informação foi confirmada pelo presidente do clube, Carlos Miguel Aidar, em entrevista na manhã desta sexta-feira (5).

"É uma determinação da presidência. Já havíamos conversado com ele, conversamos com o professor Osorio [Juan Carlos Osorio, técnico que assumirá a equipe nos próximos dias] também e é óbvio que também teve total aprovação", afirmou o presidente do tricolor. Aidar também afirmou que a permanência de Rogério Ceni foi um pedido do novo técnico para começar seu planejamento no tricolor paulista.

Publicidade
Publicidade

Pesou para a presidência do São Paulo a partida feita pelo goleiro diante do Santos, no Morumbi, na quarta-feira (3), quando Ceni virou o jogo para o tricolor. No dia seguinte a vitória, o jogador assinou sua permanência por mais quatro meses. Perguntado se ficou para poder trazer mais sócios ao clube numa ação de marketing, foi enfático: "Quero tentar alavancar ao máximo o número de torcedores são-paulinos, mas jogo por meu trabalho. Não estou aqui para marketing".

O goleiro atua no São Paulo há cerca de 25 anos, começando em 1997, e tem diversos recordes e marcas: é o maior arqueiro-artilheiro de todos os tempos no #Futebol, com 128 gols - fato que o coloca entre os maiores artilheiros do São Paulo, ultrapassando Raí - além de ser o jogador que mais partidas venceu atuando pela mesma equipe e o recorde de números de partida estando como capitão, com 953 partidas, entre outros recordes de participações em Campeonatos Brasileiros e na Taça Libertadores da América.

Publicidade

Sua trajetória também faz menção aos títulos que obteve na sua carreira. Foi tricampeão brasileiro nos anos de 2006 a 2008; também tem três Libertadores, em 1993, 1998 e 2005; disputou o Mundial de Clubes no mesmo ano e venceu o Liverpool, além de cinco Campeonatos Paulistas, o último em 2005, dentre outros. Rogério é campeão mundial com a Seleção Brasileira, em 1997 pela Copa das Confederações e em 2002 pelo Mundial da Coreia e Japão.