Para Rodrigo Oliveira, repórter da Rádio Gaúcha e setorista do Inter, uma vitória convincente no jogo de ida pela semifinal da Libertadores diante do Tigres, do México, no dia 15 de julho no Beira-Rio, é condição obrigatória para que o clube gaúcho possa manter vivo o sonho do tri continental. Os reforços do time mexicano não empolgam Oliveira. Segundo ele, haverá muito pouco de preparação para que os novos jogadores se incorporem totalmente ao elenco.

Em #entrevista exclusiva à Blasting News Brasil, o jornalista opinou sobre o confronto, admitiu a força do Tigres em seu campo e elogiou o elenco colorado. Confira na íntegra as opiniões de Rodrigo Oliveira:

Blasting News Brasil: Diferente das fases anteriores, quando o Beira-Rio foi fundamental para o Inter passar por Atlético e Santa Fé, dessa vez o Inter decidirá longe de casa, no México.

Publicidade
Publicidade

O quanto isso pode influenciar no resultado?

Rodrigo Oliveira: Pode influenciar se o Internacional não fizer um bom resultado em casa. O clube não conviveu ainda com a obrigação de reverter um resultado fora de casa, sempre teve o conforto de resolver em casa. Se por alguma eventualidade, o time empatar ou perder no Beira-Rio, a coisa complica. Uma vitória no jogo de ida, no entanto, deixará o time em total condição de segurar o resultado no México.

BN: No ambiente de vestiário e entre os jogadores do Inter, sente-se um clima de foco total ou um possível excesso de confiança poderá atrapalhar?

RO: Poupar jogadores no Brasileirão dá muitos prejuízos. No entanto, há um benefício muito claro: a ideia de foco total na Libertadores fica evidente. O Inter praticamente mostra que está disposto a abrir mão do nacional para ganhar a América.

Publicidade

Isso demonstra foco total.

BN: Quais as suas impressões sobre o time do Tigres?

RO: É um time de qualidade, porém inferior a Santa Fé e muito inferior ao Atlético-MG. Além disso, a parada para férias é um claro prejuízo. Em mata-mata as coisas são imprevisíveis, mas o favoritismo do Inter é nítido.

BN: Em 2010, na parada antes da semi, o Inter se reforçou com Renan, Tinga e Sóbis. Esse ano, não trouxe ninguém. Por outro lado, o Tigres trouxe nomes como Gignac, Uche e Damm. Isso pode fazer a diferença?

RO: O Inter não precisava trazer reforços. O grupo atual é muito bom. Já os reforços do Tigres mal tiveram tempo de desembarcar e já terão um jogo decisivo. O Inter em 2010 se reforçou sim. Porém, Renan, Tinga e Sobis não foram imprescindíveis para a conquista. Renan falhou contra o São Paulo e Tinga foi expulso. Eles mais atrapalharam do que ajudaram. Já o Sobis fez gol contra o Chivas na final, mas mesmo sem aquele gol o Inter foi superior. Reforços de última hora não representam muito em uma fase final de Libertadores. #Futebol #Sport Club Internacional