Enfim, o Chile quebrou o jejum de jamais ter vencido uma #Copa América. De quebra, conquistou em seu país, escrevendo o capítulo mais bonito de sua história ao bater a Argentina nos pênaltis na final deste sábado. Antes de chegar à decisão, o bom #Futebol apresentado pelos chilenos já o credenciavam como um dos grandes postulantes ao título.

Na primeira fase, a Roja iniciou com uma boa vitória sobre o Equador, por 2x0, no jogo de abertura da edição de 2015 do torneio. Na segunda rodada, um susto. Contra um time alternativo do México, que não mandou para o Chile os seus principais jogadores, o time de Sampaoli demonstrou fragilidade defensiva e esteve perto de perder o jogo não fosse o poderio letal do ataque, que garantiu o 3x3.

Publicidade
Publicidade

Para fechar a fase de grupos, uma goleada por 5x0 contra a Bolívia com direito a show de Aránguiz serviu para tranquilizar os fanáticos torcedores, ávidos pela primeira conquista.

Nas quartas de final, muita polêmica marcou o embate diante do Uruguai, vencido pelo Chile quando o jogo já se aproximava da disputa por pênaltis. Isla, lateral direito, aproveitou rebote dentro da área e fuzilou o goleiro Muslera, colocando os mandantes na semi. Antes disso, uma cena lamentável protagonizada pelo zagueiro chileno Jara marcou o duelo. Ao apalpar partes íntimas de Cavani, o defensor irritou o atacante uruguaio, que revidou e foi expulso de campo pelo árbitro brasileiro Sandro Meira Ricci.

Contra o Peru de Paolo Guerrero na semifinal, o Chile cumpriu protocolarmente o seu favoritismo e garantiu vaga na final ao vencer por 2x1.

Publicidade

Eduardo Vargas foi o nome do jogo ao marcar os dois gols, um deles um lindo gol em chute de fora da área. Na final, frente a Argentina de Messi, o nervosismo e a ansiedade de ambas as equipes impediram um jogo de maior qualidade técnica.

Nos pênaltis, prevaleceu a estrela do goleiro Claudio Bravo, que defendeu a cobrança de Banega e, somado ao erro por sobre a trave de Higuain, permitiu a Sánchez bater com precisão o pênalti final e dar aos donos do casa o inédito título da Copa América.