Na próxima quinta-feira (13) ocorrerão assembleias gerais nos 27 sindicatos de arbitragem existentes no país para discutir uma possível #Greve da categoria, que pode paralisar todas as Séries do Campeonato Brasileiro.

Após a presidente Dilma Rousseff vetar um dos itens da Medida Provisória 671 (MP do #Futebol) que falava do direito de arena dos árbitros, que teriam repasse de 0,5% dos valores de transmissão da TV, os debates nos sindicatos começaram.

Segundo o presidente da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (Anaf), Marco Antônio Martins, os encontros estão marcados para quinta-feira e escolherão as medidas tomadas pela entidade.

Publicidade
Publicidade

Cabe a categoria marcar o início da greve, que atingiria as quatro divisões nacionais.

Marco Antônio Martins afirmou que na última sexta-feira, 7, já houve um encontro com 40 árbitros no Rio. E que irão impetrar uma liminar na Justiça solicitando que não exibam mais as imagens dos árbitros nas transmissões de futebol. De acordo com ele, já foi apresentado a CBF um pedido apoio a MP (a inclusão do item vetado). "Pedimos que a CBF interfira junto aos clubes para que a gente possa receber nossos direitos", explicou Marco Antônio.

O presidente da Anaf disse ainda que são os sindicatos dos estados que definirão sobre a greve. Mas, que a Associação Nacional é favorável a paralização. A decisão de todos os estados deve sair até o fim desta quinta-feira.

Na última segunda, 10, Marco Antônio Martins, e os árbitros Péricles Bassols (RJ) e Marcelo de Lima Henrique (PE), estiveram reunidos com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, para debater a questão do veto de Dilma.

Publicidade

Segundo o presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa, o pensamento de fazer greve no atual momento poderia taxar os árbitros de aproveitadores, e que a greve não é uma ideia vinda dos próprios árbitros.

O repasse de 0,5% dos direitos de transmissão da TV significaria, segundo o presidente da Anaf, R$ 9 milhões, que seriam distribuídos a classe por campeonato. De acordo com Marco Antônio, isso renderia algo em torno de R$ 10 mil por partida ao quarteto de arbitragem. Atualmente, os árbitros que possuem escudo Fifa ganham cerca de R$ 4 mil por jogo. Um aspirante à Fifa recebe por volta de R$ 3,2 mil e os demais ficam com R$ 3 mil, todos em valores brutos. #Crise