O final de semana foi de luto para o #Futebol brasileiro. No meio de belos gols, passes precisos, estádios lotados e de tantos outros componentes que fazem do esporte mais popular do país sinônimo de alegria, uma tragédia ocorrida no interior de Santa Catarina durante a disputa do Campeonato Catarinense sub-17 gerou comoção e profunda tristeza entre os torcedores e amantes do futebol no Brasil.

O jovem atleta Leonardo de Paula Oliveira, de somente 17 anos, faleceu durante a tarde de sábado (8) depois de passar mal durante uma partida do estadual da categoria. Léo, como era conhecido, era zagueiro titular do Inter de Lages.

Publicidade
Publicidade

Ele se sentiu mal ao disputar uma bola e bater a cabeça contra um adversário no duelo contra o Metropolitano, em jogo realizado na cidade de Blumenau. Leonardo chegou a ser levado a um hospital, mas faleceu ainda no final da tarde.

Uma necropsia será realizada para apurar as causas exatas do óbito do jogador. Por volta das 11h de segunda-feira, o corpo foi enterrado no cemitério do Parque da Saudade, em Lages. No domingo, antes da partida pela Série D do Campeonato Brasileiro entre os profissionais do Inter de Lages e o Operário, do Paraná, várias homenagens marcaram o adeus inesperado a Léo. Atletas do sub-17 do clube que eram companheiros de grupo do zagueiro entraram no gramado segurando a camisa 3, em referência ao número utilizado nas partidas pelo ex-colega.

As homenagens não acabaram com o apito inicial do juiz.

Publicidade

Durante o jogo, todos os atletas do Inter mantiveram a tarja preta no braço em sinal de luto com a morte da jovem revelação da base do clube. Robson, ao fazer um gol pelo time da casa, retirou a tarja na comemoração e fez um gesto de memória a Léo com os braços apontados para o céu.

Patrick Cruz, vice-presidente do Inter de Lages, lamentou a perda tão precoce de um dos futuros valores da equipe. Além disso, fez questão de frisar o apreço que Leonardo e toda a sua família tinha pela equipe e também pela cidade.

“A gente vê por todo o Brasil e aqui também é assim, que todas as categorias de base costumam ter jogadores de fora e de todos os lugares do país. Mas também é normal ter jogadores locais. Era o caso do Léo. Ele tinha uma identificação enorme com o Inter de Lages. Nasceu na cidade e toda a família dele é lageana. Jogou quatro anos na nossa base. Olha, é uma fatalidade absurda mesmo”, lamentou Cruz.

Nota

Em nota oficial, o Inter de Lages garantiu ter dado todo apoio à família do jovem e diz que seguirá atento às investigações sobre a morte do jogador.

Publicidade

Cruz alegou que o clube não pode se pronunciar oficialmente sobre a fatalidade antes do resultado do laudo da necropsia. O dirigente confirmou o choque de cabeça na partida de sábado, mas não está confirmada se essa foi a única causa.

Clubes como o Metropolitano e o Marcílio Dias, ambos de Santa Catarina, prestaram seus sentimentos e divulgaram notas oficiais, em um pequeno mas importante ato para demonstrar a tristeza que envolveu o futebol catarinense e brasileiro no sábado. #Blasting News Brasil