A posição na tabela do Campeonato Brasileiro não poderia ser mais delicada. Em péssima fase, o #Vasco amarga a lanterna da competição com apenas 13 pontos. O ataque vive período de escassez. Foram apenas oito gol feitos. Por outro lado, a defesa segue vazando. O gol sofrido contra o Santos, na Vila, na derrota por 1x0 na última quarta-feira foi o 30° levado pelos cruz-maltinos em 18 jogos. Para completar, sete pontos separam o Vasco do Avaí, que é o primeiro clube fora da zona de rebaixamento.

Mas há quem diga que a situação não é tão ruim assim. Na manha desta sexta-feira (14), o Vasco apresentou o meia Jorge Henrique e o volante Felipe Seymour.

Publicidade
Publicidade

Contratado junto ao Inter, Jorge demonstrou enorme otimismo sobre o novo clube e garantiu estar pronto para fazer sua estreia já neste sábado, às 18h30, contra o Coritiba, no Maracanã.

"Não acho que a situação do Vasco seja ruim, até porque não acabou o campeonato. Todos do grupo têm o pensamento de não deixar a equipe cair. Vamos lutar muito em campo para evitar isso. Minha carreira toda foi movida a vários desafios. Sei que não sou a solução de tudo, mas vim para ajudar. Estou bem e o cansaço a gente deixa de lado nessas horas. Vou fazer melhor durante o tempo que estiver em campo contra o Coritiba", salientou Jorge Henrique.

Felipe Seymour, ex-volante do Cruzeiro, foi na mesma linha do companheiro e demonstrou confiança na recuperação do time de São Januário. O chileno teve grande passagem pela Universidad de Chile, mas não deu continuidade no Cruzeiro e acabou tendo que treinar em separado do grupo na chegada de Vanderlei Luxemburgo ao clube.

Publicidade

"Todos nós sabemos que a situação da equipe é bem delicada, mas o Vasco é muito grande como clube. Estou chegando aqui com muita certeza que vamos nos livrar dessa incômoda situação", destacou o volante.

Jorge Henrique teve seu contrato rescindido com o Internacional e dessa forma assinou com o Vasco até dezembro de 2016. Já Felipe Seymour foi emprestado pelo Cruzeiro ao clube carioca por um ano.

  #Futebol #Crise