Já virou rotina. Dia após dia, o São Paulo convive com a venda de jogadores e deixa o técnico Juan Carlos Osorio com cada vez menos opções para a montagem da equipe. A bola da vez é Rafael Toloi. O zagueiro teve sua venda confirmada neste sábado (22) para a Atalanta, da Itália, por 3,5 milhões de euros - aproximadamente 14 milhões de reais. Outros clubes como o Anderlecht, da Bélgica, tinham demonstrado interesse em contar com o jogador.

Toloi é o oitavo jogador a deixar o clube desde o período em que o treinador colombiano Juan Carlos Osorio assumiu. Paulo Miranda, Souza, Denílson, Dória, Boschilia, Ewandro e Jonathan Cafu foram os outros atletas a deixarem o clube neste tempo.

Publicidade
Publicidade

Toloi foi revelado pelo Goiás e comprado pelo clube do Morumbi em uma disputa com o Inter, de Porto Alegre. Pelo tricolor, ele chegou a ser emprestado para a Roma, da Itália, mas retornou e era homem de confiança tanto de Muricy Ramalho como de Osorio.

O Goiás, clube formador do zagueiro, levou 3 milhões e meio de reais pelos 25% que ainda detinha do passe do jogador. Toloi estava na lista dos relacionados pelo técnico Osorio para a partida deste domingo, pela primeira rodada do segundo turno do Campeonato Brasileiro, entre Flamengo e São Paulo, no Maracanã. Mas assim que o negócio se confirmou, ele foi cortado da delegação e está liberado para acertar detalhes de sua ida para a Itália.

Para espantar a crise

Juan Carlos Osorio começa a viver o seu primeiro período de maior turbulência no comando do São Paulo.

Publicidade

Após duas derrotas no Morumbi por competições diferentes - 0x3 para o Goiás pelo Brasileirão no último sábado e 1x2 para o Ceará pela Copa do Brasil na quinta-feira -, o técnico sofreu duras críticas na imprensa por mexer demais nas peças e no esquema tático da equipe, no chamado rodízio.

Em defesa do comandante, o principal jogador do time e artilheiro na temporada com 20 gols, Alexandre Pato, disse que na Europa é comum o rodízio e que caso Osorio seja demitido "seria uma tragédia para o grupo". #Negócios #Futebol #Crise