Dos mais críticos aos mais otimistas concordam com uma coisa: a seleção brasileira de futebol já não consegue ter sua antiga mística. Se antes os penta campeões mundiais eram considerados favoritos em praticamente todas as competições que disputavam, hoje a coisa mudou.

Mais que isso, a seleção canarinha, que já abrigou jogadores como: Pelé, Garrincha, Zico, Romário, Ronaldo, Rivaldo e tantos outros craques, não é mais tão atrativa para os jogadores, que nem são tão fantásticos. Se antes jogar na #Seleção Brasileira era o sonho de todos os garotos do Brasil, hoje, devido a situação e os vergonhosos resultados, esse desejo se torna mais distante.

Publicidade
Publicidade

O lateral Rafinha, do Bayern de Munique, após ser convocado por Dunga para os dois primeiros jogos válidos pelas eliminatórias da Copa do Mundo, resolveu oficialmente rejeitar o convite. Além disso, o jogador não esconde a vontade de jogar pela seleção alemã. Se esta notícia ocorresse há, pelo menos, dez anos, seria algo impressionante, mas, para o atual momento do nosso futebol, não é coisa do outro mundo.

Rafinha não foi o primeiro. Não faz muito tempo que o artilheiro Diego Costa preferiu jogar entre os espanhóis a vestir a histórica camisa amarela. O caso de Rafinha evidencia a realidade do futebol brasileiro. Nas últimas três Copas, o Brasil obteve fiascos, sendo o último, o mais humilhante da história.

Os craques brasileiros estão longe de serem os maiores protagonistas do futebol mundial na atualidade.

Publicidade

A seleção 'canarinha' é formada por jogadores medianos, que jogam em mercados menores, como futebol chinês. Além disso, os jogadores brasileiros muito cedo são vendidos para fora do país e, desta forma, dificulta a identificação destes com a seleção nacional. O próprio Rafinha já joga na Alemanha há 11 anos.

É inegável que se trata de um bom lateral direito, que cumpre sua função e possui uma grande regularidade em campo. No entanto, o jogador do Bayern está longe de ser o maior lateral de todos os tempos, ou seja, em outros tempos, nem seria lembrado entre os convocados.

É de se temer pelos próximos anos e pelo futuro da camisa penta campeã, pois, se os próximos craques brasileiros continuarem desencantados a vestir o uniforme mais vitorioso da história das seleções, o que será da seleção? De tradição apenas não se vive. Talvez um dia a CBF e toda a cultura atrasada e lotada de mazelas do futebol brasileiro possa ser reformulada e a seleção que encantava a todos ressuscite.

Do contrário, "Rafinhas" e "Diegos" sairão dos campos de várzea do Brasil direto para outras seleções do mundo. #Resenha Esportiva #Blasting News Brasil