Último Grand Slam de #Tênis da temporada, o US Open 2015 entrou para a história de uma forma não tão positiva. Com doze desistência nos dois primeiros dias de competição, o torneio se tornou o Slam com mais abandonos de tenistas em uma única rodada desde o início da Era Aberta do esporte, a partir do ano de 1969.

No total, foram dez desistências na disputa da chave masculina e mais duas na feminina. Com as 12 retiradas, a atual edição do Aberto dos Estados Unidos ultrapassa a marca anterior que detinha o desconfortável recorde, que era 9. A primeira rodada do US Open de 2011, assim como a segunda rodada de Wimbledon em 2013 e a primeira do Aberto da Austrália em 2014 registraram nove saídas.

Publicidade
Publicidade

Muitos dos atletas que se viram obrigados a desistirem em meio às partidas sofreram com câimbras ou outras lesões em decorrência do forte calor que faz nos Estados Unidos nesta época. No entanto, alguns jogadores estão sendo acusados de já irem para a chave lesionados, e que entraram em quadra apenas para faturar a premiação de primeira rodada, aproximadamente US$ 40 mil.

Tal situação causou revolta no tenista japonês Taro Daniel. Como não conquistou lugar na chave principal, ele era o primeiro “lucky-loser” a ser sorteado caso algum tenista alegasse indisponibilidade antes do início da rodada. Em seu Twitter, Daniel disparou duras críticas para o alto número de abandonos na chave masculina e lamentou não ter tido uma oportunidade, já que era o primeiro nome da lista de espera. Mesmo assim, o japonês optou por apagar a postagem horas depois.

Publicidade

No primeiro dia de jogos em Nova York, segunda-feira (31), seis desistências durante as partidas chamaram a atenção no torneio masculino. Gael Monfils, Yen-Hsun Lu, Radek Stepanek, Florian Mayer, Alex Dolgopolov e Pablo Andújar optaram por sequer terminarem seus confrontos. No mesmo dia, a russa Vitalia Diatchenko também abandonou o seu confronto contra a norte-americana Serena Williams, quando já perdia por 6/0 2/0.

No dia seguinte, terça-feira (1°), a onda de retiradas não baixou o ritmo e outras cinco desistências foram observadas no Grand Slam americano. Ainda em jogos de primeira rodada, Ernest Gulbis, Aleksandr Nedovyesov, Marcos Baghdatis e Thanasi Kokkinakis abandonaram no masculino. Marina Erakovic foi a única tenista que desistiu na terça. Mesmo com os abandonos, os jogadores recebem normalmente a premiação de primeira rodada.

Nadal defende

Rafael Nadal, tenista espanhol e 8° cabeça de chave do US Open, onde sagrou-se campeão em 2010 e 2013, rejeitou a tese de que esses jogadores deveriam abrir espaço para outros melhores condicionados e defendeu a situação desses atletas.

Publicidade

“São acidentes, não são saídas premeditadas destes jogadores. Temos que ser realistas para opinar. Tirando os tenistas do topo do ranking, os outros precisam disso e não são ricos só por estarem jogando um Grand Slam. Muitos fazem aqui o que é necessário fazer para garantir o seu futuro e de suas famílias. A carreira do jogador não é por 30 anos”, opinou Nadal. #UsOpen