O Brasil foi 5 vezes campeão mundial de futebol. Aliás, a seleção brasileira é a única que até hoje conseguiu esse feito, mas não é mais a mesma depois que levou uma goleada histórica da Alemanha de 7 x 1 em 2014, ano em que por infelicidade a Copa do Mundo era disputada no outrora “país do futebol”.

Crises políticas; escândalos financeiros; as construções superfaturadas de estádios com desvio de dinheiro público; a corrupção na Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que inclusive levou estas mesmas más práticas para o interior da Federação Internacional de Futebol (Fifa), conforme investigações dos EUA, Interpol, Polícia Federal e avaliação de experientes comentaristas do meio esportivo, causam dia a dia a derrota do futebol arte brasileiro.

Publicidade
Publicidade

Independente do quadro adverso enfrentado pela equipe nacional de futebol com a sua característica camisa amarelo “canarinho”, que outrora até guerras fez cessar quando jogava, não impede que muitos afirmem, “que os deuses do futebol se instalaram no país latino ou até mesmo que os jogadores de futebol do Brasil, talvez fossem esses próprios deuses.” Nada mais, nada menos, foi no Brasil que nasceram Pelé, Garrincha, Tostão, Zico, Sócrates, Ronaldo Fenômeno, Ronaldinho, entre tantos outros consagrados mestres do futebol mundial que influenciaram gerações de jovens pelo mundo afora.

Zico, um destes monstros sagrados, ex-jogador de futebol é candidato à presidência da Fifa, na eleição de substituição do suíço Joseph Blatter, no próximo dia 26/02/2016, onde até agora o francês Michel Platini, presidente da União das Federações Européias de Futebol (Uefa) é tido como o grande favorito para vencer a disputa em questão.

Publicidade

Arthur Antunes Coimbra nasceu 03/03/1953 no subúrbio do Rio de Janeiro chamado Quintino Bocaiúva, o que lhe valeu mais tarde o apelido de “galinho de Quintino” nos campos de futebol. Zico, filho de um imigrante português com uma carioca, durante a sua carreira, jogou em somente 3 clubes: o #Flamengo do Rio de Janeiro, onde até hoje é o seu maior ídolo; revolucionou a Udinese italiana e fez com que o Kashima Antlers do Japão fizesse o país ser reconhecido no futebol.

Zico como era chamado pela sua prima Ermelinda, disse à imprensa internacional desejar um debate junto aos seus adversários em Zurique na Suíça, ainda no mês de setembro, debate este que é algo revolucionário dentro do contexto futebolístico. O mesmo Zico, aponta que este encontro deveria ocorrer de 23 a 25 de setembro, que é a semana em que o comitê executivo da Fifa reúne-se em Zurique.

O ex-jogador brasileiro precisa do suporte escrito de 5 federações brasileiras para que possa disputar oficialmente o cargo de presidente da Fifa e a CBF por sua vez disse que estará com ele, caso ele consiga os outros 4 apoios exigidos pelas leis eleitorais da Fifa.

Publicidade

Zico junto com seus apoiadores criaram o site oficial de sua campanha, pois o prazo final de registro dos candidatos é até 26/10/2015. Zico diz que “o prioritário é fazer agora, nesta eleição, um grande debate de todo mundo sobre o futuro da Fifa e do futebol. Todos têm o dever de abrir a caixa preta da Fifa".

Se Arthur Nunes Coimbra ou o Galinho de Quintino ou simplesmente Zico para os bilhões de fãs do futebol, conseguirá o seu intento de ser o novo presidente da Fifa no próximo ano, ainda não se sabe, mas algo é uma verdade inquestionável, para sempre o garoto franzino do Rio de Janeiro, terá o seu nome inscrito no panteão dos imortais do futebol. #Seleção de Futebol #Resenha Esportiva